domingo, 14 de agosto de 2011

Por que é feriado neste 15/08?

Antigo design da bandeira do Pará até a Adesão à Independência
Afinal de contas, por que nesta segunda-feira (15) é feriado no Pará? Esta é a pergunta que surge quando se fala na Adesão do Pará. Para a maioria dos paraenses, trata-se de um evento histórico sem muita importância. Tanto que são poucas as pessoas que sabem explicar por que o dia 15 de agosto, a data da adesão, é feriado.
Mas o que os paraenses desconhecem é que a Adesão do Pará foi um acontecimento decisivo na história do estado, que definiu os rumos políticos e econômicos de sua história recente.

A Adesão do Pará ocorre em 15 de agosto de 1823. A mando de Dom Pedro I, o almirante John Grenfell obrigou os estados que não aderiram à independência a aceitar a separação entre o Brasil e Portugal. Em Belém, Grenfell armou um ardil para convencer os responsáveis pelo estado a aceitar a adesão, convencendo-os de que havia uma esquadra estacionada em Salinas pronta para bloquear o acesso ao porto da capital, isolando o Pará do resto do Brasil. Acreditando na história, restou aos governantes da época se render, proclamando a adesão ao restante do país.

Para a historiadora Magda Ricci, a Adesão do Pará é um dos eventos mais ambíguos da história do estado. Isso deve ao fato de que, apesar de ter aderido ao processo de independência do Brasil, o estado continuou a ser governado pelos portugueses.

“Pouca coisa mudou no Pará após a adesão. Os portugueses continuaram no poder e os paraenses sem espaço nenhum no novo governo. Daí surge a revolta do Brigue Palhaço, onde os revoltosos com a situação do estado são confinados no porão de um navio e morrem de asfixia. E foi através de episódios como este que se deu a Adesão do Pará',” explica a historiadora, adicionando que essa independência foi negociada sem nenhum benefício para os paraenses.

“No século XIX, o Grão-Pará era um país à parte dentro do Brasil, pois operava com uma taxação alfandegária diferente e se reportava diretamente a Portugal e não ao Rio de Janeiro, que era a sede do Império em nosso país. Essa foi uma estratégia criada por Lisboa para preservar o estado da cobiça dos franceses e holandeses, já que era mais fácil tomar decisões se comunicando direto com Portugal, sem passar pelo Rio de Janeiro. Então, com a Adesão, passamos apenas de colônia europeia para colônia brasileira, controlados por um governo que sequer tinha estrutura para cuidar de um país tão grande como o nosso”, relata o historiador João Lúcio Mazzini.

João Lúcio afirma ainda que, caso a Adesão do Pará não tivesse acontecido, existiria ainda a possibilidade de o Pará ter se transformado em um país independente, pois já existiam muitos movimentos pedindo a independência do estado.

“Se a gente não tivesse aderido e continuasse ligado a Portugal, provavelmente haveria um processo de independência que levaria o Pará a se tornar um país independente. Então, é possível que hoje ele fizesse parte de uma espécie de reino unido brasileiro”, teoriza João Lúcio Mazzini.

Um comentário:

Wilson Rebelo disse...

Meu caro Waldyr,
é um prazer sempre renovado visitar teu blog, um dos melhores sem dúvida.
Além de te dar os parabéns aproveito para te contar que após um "longo e tenebroso inverno" estou de volta à blogosfera com o "Contraponto" em novo endereço: http://wilsoncostarebelo.blogspot.com
Espero que possamos participar de novas e saudáveis discussões.
Será uma honra vê-lo visitar o meu bloguinho.
Um enorme abraço desse seu admirador
Wilson Rebelo