terça-feira, 18 de setembro de 2007

Dia Nacional da Pessoa Surda

A Associação de Surdos de Parauapebas começa a se preparar para o Dia Nacional da Pessoa Surda, a ocorrer no próximo dia 26, com apoio da Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed).
Na comemoração, cerca de 60 associados vão assistir a uma palestra sobre sexualidade e métodos contraceptivos, no espaço vip da churrascaria Serve Bem, oferecida por enfermeiros da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).
Inclusão
No Brasil, com a aprovação da Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, pela Procuradoria Geral do Trabalho, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) passou a ser a segunda língua oficial do país. Ela serve como mecanismo de comunicação, bem como estratégia de inclusão social e educacional da pessoa surda à comunidade.
O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusão nos cursos de formação de educação especial, de fonoaudiologia e de magistérios, em seus níveis médios e superiores, o ensino de Libras, como parte integrante dos parâmetros curriculares nacionais.
Geografia dos surdos
Segundo cálculos da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 10% da população mundial apresenta algum problema de dificuldade auditiva, o que corresponde a mais ou menos 650 milhões de pessoas.
No Brasil, de acordo com o Censo 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de pessoas que apresentavam algum grau de deficiência auditiva era 5,7 milhões, 166.400 dos quais se declararam totalmente surdos (86.400 homens e 80 mil mulheres). Além disso, cerca de 900 mil pessoas declararam ter grande dificuldade permanente de ouvir.
No Pará, à mesma época, havia 191 mil pessoas com problemas auditivos, enquanto que em Parauapebas 2,5 mil se encontravam nessas mesmas condições.
Mais informações sobre o Dia da Pessoa Surda com Márcia Guedes, coordenadora do Núcleo de Atendimento Psicossocial e Pedagógico (Napp), pelos fones (94) 3346-8234/8235/7557/2018, ramal 218.

Estado de Carajás em debate na Unama

Do blog Quinta Emenda
Nem o problema no link para o auditório das Faculdades Integradas do Tapajós, a FIT - o braço do grupo Unama em Santarém - que atrasou o incío do debate, arrefeceu o ânimo da platéia que lotou o auditório 4, com a presença de deputados estaduais, do vice prefeito de Marabá, ex dirigentes de órgãos, ligados ao PDT, muitos professores e alunos.
O debate foi mediado pelo coordenador do curso de Economia da Unama, Roberto Alcântara.
Segue um breve resumo das falas dos componentes da mesa, segundo a escuta deste poster.
Vereador Reginaldo Campos (PSB-Santarém)
Alternou momentos de lucidez, ao exigir o cumprimento da Constituição, exibindo-a, no que toca a realização do plebiscito, com instantes de ira evangélica contra o jornal O Liberal, contra a humilhação que a capital impõe aos interioranos, contra a CVRD, conclamando a população a um levante cabano. Quando percebia que o tom subia demais, afiançava que seríamos estados irmãos. Depois voltava a aumentar o volume, replicando o roteiro aquece-esfria de um pregador que é. E assim foi até o fim.
2. Economista José Lima, coordenador de curso da FIT, e doutorando em Economia dos Transportes na UFAM, em Manaus.
Utilizando dados e indicadores economicos, Lima defendeu supostas vantagens comparativas e possível autonomia imediata do pretendido estado do Tapajós.
3. Carlos Augusto de Souza, doutor em Ciência Política e professor da Unama, recortou a questão em quatro interessantes dimensões, do discurso da representação política à diversidade cultural, e fez ponderadas considerações sobre a validade de um plebiscito sem a necessária e exaustiva discussão pública a antecedê-lo.
Engajado num grupo de pesquisa que estuda a questão territorial, Carlos desmontou mito do tamanho - alegado pelo deputado Giovani (e pelo vereador pastor Reginaldo) ao comparar o tamanho de São Félix do Xingú ao dobro de Alagoas e Sergipe juntos - mostrando que é lá, em Sergipe e Alagoas, que estão os piores indicadores sociais do país.
Muito aplaudido, Carlos foi o palestrante melhor fundamentado da noite.
4. Deputado Federal Zenaldo Coutinho (PSDB-PA), assumiu posição frontalmente contrária ao plebiscito, arguiu sua votação no Oeste e Sul do Pará como sinal de legitimidade em sua fala, afirmou que os governos tucanos diminuíram o hiato das demandas do interior citando, em defesa de sua assertiva, o Tramoeste, os Hospitais Regionais, a Alça Viária, e a introdução da equipamentos de segurança em várias cidades do interior.
5. Deputado federal Giovani Queiroz (PDT), o comandante-em-chefe da força tarefa separatista, também usou o datashow com dados do IPEA, e defendeu a contraditória tese de que o responsável pelas carências da região é a ausência do Estado - embora tenha sido e seja Estado - mas reclamou de sua presença no caso da Pagrisa, a usina de álcool recentemente acusada pelo Grupo de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho, cujo titular é de seu partido, ressalvando a independência dos auditores.
Infelizmente não houve tempo para que descrevesse qual seria o modelo de exploração economica da região do Carajás auto governado, mas se comprometeu a enviar ao site do debate as respostas que não puderam ser atendidas. Vamos aguardar.
6. Deputado estadual Joaquim Passarinho (PTB).
Deixei o deputado propositalmente para o final, de sorte a destacar a surpreendente arredondada que conferiu à seu discurso, questionando a proposta de Giovani que restringe a área da consulta apenas aos municípios incluídos nos desejados estados - mais marôta impossível - duvidando da correção dos critérios que definem os municípios sob essas unidades e, antes de Zenaldo, elencou uma série de investimentos no interior nas últimos governos que, a seu juízo - e ao meu também - pelo menos deprimiram a tendência de aumento das disparidades entre a capital e o interior, argumento comprovado pelos dados do próprio IPEA.
Foi enfático e correto ao afirmar que os problemas de insuficiência das políticas públicas acomete o estado como um todo, o que invalida a tese da exclusão enquanto monopólio das regiões separatistas.
Nenhuma palavra sobre forasteiros, ou quem ama não separa.
By the way, ao final do debate, decerto embalado pela chegada de sua elegante mulher - com todo o respeito, é claro - Passarinho voou baixo em cima de Giovani Queiroz.
Dentre os políticos, o mais agudo, simples, e direto.
______________________

O poster, conforme prometido, apenas perguntou, como convém a um debatedor.
E nas considerações finais, encerrando o evento, manifestou duas posições: a favor do plebiscito, e contra a divisão.
Saiu de lá com firme convicção que essa bola rola longe.
E que estudar é preciso. Por isso vai começar já.
Sim, já ia esquecendo: Renan Calheiros apareceu num dos slides da exposição do vereador Reginaldo, numa visita midiática que fez à Brasília. A vaia foi ouvida na BR.

Prefeitura organiza seminário sobre educação do campo

A Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria de Educação (Semed), realiza nos próximos dias 21 e 22/09 o I Seminário Municipal de Educação do Campo, no Centro de Formação Paroquial, localizado na rodovia PA-160.
Depois da I Conferência Municipal de Educação, realizada em dezembro do ano passado, quando foram discutidas diretrizes e rumos da educação municipal, agora é a vez de se traçar metas específicas para o ensino do campo.
O evento tem por objetivo proporcionar debates que apontem demandas a fim de se construir políticas educacionais estritamente voltadas ao campo, bem como definir projeto político-pedagógico das escolas dessa área, de forma a valorizar os profissionais que nelas atuam, a repensar o regime didático do ensino e a compartilhar experiências em pedagogia da alternância.
Na programação do seminário estão previstas palestras, formação de grupos de trabalho, participação de plenária, votação e eleição de propostas para, finalmente, compor-se documento denominado “A Carta da Educação do Campo do Município de Parauapebas”.
Mais informações com José Orlando (Zelão), coordenador do setor de Educação Rural da Semed, pelos fones (94) 3346-8234/8235/7557/2018.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

sábado, 15 de setembro de 2007

Pastoral da Criança atende mais de 400 famílias carentes

Momento lúdico de mães acompanhadas de filhos

Com apoio da Paróquia São Sebastião, Padre Robertinho, que atualmente mora na Itália; Prefeitura de Parauapebas e de pessoas amigas e voluntárias, a Pastoral da Criança, localizada no bairro Liberdade, atende hoje 440 famílias carentes previamente cadastradas e residentes naquele bairro, principalmente crianças e adolescentes na faixa etária de 0 a 6 anos, e gestantes. A revelação é da coordenadora da instituição, Maria Selma Vieira da Silva.
Segundo a coordenadora, o trabalho de visita e atendimento às famílias é feito mensalmente por 11 líderes voluntários que prestam serviços gratuitamente para a entidade filantrópica.
Ela explica que após as visitas dos agentes as mães de famílias levam os filhos uma vez por mês à entidade para aferição de peso e outras medidas de prevenção de doença, onde participam de palestras, brincadeiras e consomem merendas.
Caso a criança não tenha aumentado de peso, ela receberá cuidados mais especiais, com complemento alimentar ou, dependendo do caso, será encaminhada para um médico.
De acordo com Maria Selma, os complementos alimentares e remédios caseiros são multimistura, xarope de cupim, anti-helmíntico (contra verme), entre outros, a exemplo da congênere Pastoral da Saúde, que fica no bairro Guanabara e conta com outros itens.
Esses produtos, manufaturados pela comunidade com acompanhamento de bioquímico, são doados para famílias comprovadamente carentes e vendidos por preço simbólico para quem pode comprar.
“Sinto-me muito gratificada quando vejo uma criança que era desnutrida sorrindo, brincando com as outras e com muita saúde, imagine a mãe dela”, revela Maria Selma, que se encontra no segundo mandato de coordenadora da Pastoral da Criança em Parauapebas.

Vereadores de Canaã rejeitam contas de Anuar por 5 x 2

Expectativa momentos antes da votação das contas

A Câmara Municipal de Canaã dos Carajás rejeitou na manhã desta sexta-feira (14), por 5 votos a favor e 2 contra, as contas do ex-prefeito Anauar Alves da Silva (PDT), exercício 2002, seguindo orientação do Tribunal de Contas dos Municípios.
Votaram pela não aprovação das contas do ex-prefeito os vereadores Demerval Costa “Pingo” (PMDB), Ana Gerlane (PT), João Evaristo (PMDB), Hamilton Ricarte de Oliveira (Dem) e Mário Alves “Penteado”, enquanto que José Correia Sales (PP), o popular Zé Pequeno, e Tatiane Oliveira Gaspar (sem partido) votaram a favor da aprovação.
Curiosamente, o vereador Otaviano de Fátima do Nascimento (PP) faltou às duas sessões em que o plenário tentava colocar em votação as contas do ex-prefeito Anuar Alves.
A exemplo das duas sessões anteriores, o clima no Poder Legislativo foi bastante apreensivo, o que fez com que, mais uma vez, o presidente daquela Casa de Leis, Zito Augusto Correia (PT), solicitasse a presença da Polícia Militar, inclusive do Policiamento Tático, para dar proteção aos vereadores e ao público que compareceu no auditório.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Comunidade do complexo Altamira participa de curso de recepcionista


Mais de duas dezenas de jovens e adultos do complexo residencial Altamira (Novo Horizonte, Vila Rica, Betânia e Casas Populares) iniciaram no dia 11/09 o Curso de Recepcionista, com previsão para encerrar no dia 30 de novembro.
A capacitação é uma iniciativa da Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas). O curso está sendo ministrado no Centro de Referência da Assistência Social (Cras), localizado na avenida Inglaterra nº 288, bairro Novo Horizonte, por Theresinha Saçço Lima, coordenadora do Cras.
De acordo com Theresinha Saçço, o curso tem por finalidade proporcionar conhecimentos necessários para atuação como recepcionista, preparando o aluno para o mercado de trabalho.
O curso tem como disciplinas noções básicas para o exercício da função (responsabilidade profissional, discrição, atendimento ao público, organização, relacionamento interpessoal, etiqueta, postura, apresentação pessoal), noções básicas de informática, técnicas de redação, expressão oral e escrita, e noções de direito trabalhista.
O treinamento conta com carga de 40 horas de aulas teóricas e 60 horas de práticas e está sendo ministrado nas terças e quartas-feiras, no horário das 9 às 11 horas. No final do curso, participantes que alcançarem a freqüência de 80% recebem certificados.
“Acho bastante interessante esse curso oferecido pela prefeitura, através da Semas, um compromisso social do prefeito Darci Lermen com a população do município”, reconhece Theresinha Saçço, revelando que 23 pessoas estão inscritas no curso.
A aluna Joselina da Silva se diz muito otimista em fazer o curso, “pois pretendo sair daqui com muitos conhecimentos adquiridos sobre os serviços de recepcionista para o mercado de trabalho”.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Tensão na Câmara Municipal de Canaã

A situação de insegurança nas sessões legislativas da Câmara Municipal de Canaã dos Carajás, a 65 quilômetros de Parauapebas, vem deixando preocupados os próprios vereadores e a Polícia Militar.
O motivo de tanta preocupação é a apreciação pelo plenário daquele Poder Legislativo municipal das contas do ex-prefeito Anuar Alves da Silva, exercício 2002, reprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios.
A apreciação das contas entrou na pauta de votação na sessão ordinária de quinta-feira (6) pelo presidente da Mesa Diretora, Zito Augusto Correia (PT), mas as contas não chegaram a ser analisadas pelos vereadores, pois estes precisavam ouvir o ex-prefeito Anuar Alves, porém este não foi localizado.
Na sessão do dia 6 foi verificado também que o então relator da comissão de análise de contas, Otaviano de Fátima do Nascimento (PP), exercia o cargo como suplente de vereador, e por isto, de acordo com o regimento interno da Casa, não poderia assumir a função de relator. Foi então substituído pelo vereador José Correia Sales (PP), conhecido popularmente por “Zé Pequeno”.
Blecaute
Na sessão desta quinta-feira (13), com o auditório superlotado de populares, quando se acreditava que as contas do ex-prefeito seriam finalmente analisadas e votadas pelos vereadores, tão logo os trabalhos legislativos foram abertos houve um blecaute na cidade, iniciando às 16 horas e normalizando somente por volta das 18h10.
Por esse motivo, o presidente da Câmara Municipal adiou a sessão para as 8 horas da manhã desta sexta-feira (14), quando as contas devem ser apreciadas.
Antes do início da sessão, a Polícia Militar foi chamada para acalmar os ânimos dos populares que lotavam o auditório da Câmara Municipal de Canaã e dar segurança aos parlamentares.
Segundo informou um funcionário da Rede Celpa, há fortes indícios de que o blecaute tenha sido motivado por ato de vandalismo na rede de alta tensão que leva energia elétrica para Canaã dos Carajás.
Na tentativa de identificar a causa da falta de energia, a concessionária localizou a destruição de um isolador num poste da rede a 4 km fora da cidade.
Premeditado
Cerca de 10 minutos antes de iniciar a sessão, o vereador Zito Augusto recebeu telefonema de uma pessoa que não quis se identificar avisando que haveria o blecaute.
Prevendo um novo corte de energia na reunião desta sexta-feira, o presidente da Casa de Leis garantiu que haverá som e iluminação de reserva para a sessão.

Absolvição


Parque de Diversões será grande atração de lazer na Fap

Crianças, adolescentes e adultos contarão com uma grande opção de lazer na III Feira de Agronegócios de Parauapebas (Fap), que acontecerá no período de 30 de setembro a 7 de outubro: o Parque Center Globo, associado ao Ita Center Park.
O Ita é considerado o maior parque de diversões do Brasil, tendo suas instalações fixas na estância hidrotermal de Caldas Novas, em Goiânia (GO) e em Belém (PA), durante a festividade do Círio de Nazaré.
O parque é sucesso de público total, participando de exposições agropecuárias das cidades de Londrina, Uberaba, Uberlândia e Esteio, as maiores feiras do Brasil.
Este ano, o Ita esteve presente na feira agropecuária de Paragominas, onde inovou com a montanha russa. Só para este brinquedo foram atraídas cerca de 30 mil pessoas.
Para a Fap 2007, o Ita já garantiu a vinda da montanha russa, que é considerada a maior do país sem loop. Além dessa grande atração, os visitantes terão uma diversidade de brinquedos para se divertir à vontade: roda panorâmica, surf, trem-bala, barca viking, autopista, trem-fantasma, cama elástica, dois carrosséis, pistas de moto, volvo, fusquinha e calhambeque. O preço dos brinquedos do parque de diversões será tabelado.
O parque de diversões ocupará na Fap uma área de 10 mil metros quadrados, o equivalente a duas quadras do Parque de Exposições. Detalhe importante: não haverá nenhuma barraca de jogos de azar.
O evento é organizado e realizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (Siproduz), em parceria com a Prefeitura de Parauapebas, patrocínio da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), financiamento do Banco da Amazônia e Banco do Brasil, consultoria da WGL Business Consult, suporte técnico da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e apoio do Sebrae. (Fabiana Gomes)

Jurista diz que responsáveis por privatizar Vale deveriam ser incriminados

Os responsáveis pela privatização da Companhia Vale do Rio Doce deveriam ser responsabilizados criminalmente pela venda da empresa a preço abaixo de seu patrimônio, opina o jurista Fábio Konder Comparato.
Em entrevista à Rádio Nacional, o jurista defende que a responsabilização deve incluir o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
A Vale é atualmente a segunda maior empresa de mineração e metais do mundo, presente em 13 estados brasileiros e 20 países dos cinco continentes. Ela também é líder mundial na produção e exportação de ferro.
Uma campanha de várias entidades, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), questiona o processo de privatização de 1997.
"Nós não chegamos, mas deveríamos ter, há muito tempo, responsabilizado pessoalmente os autores dessa falsa venda e dessa fraude. A começar pelo então presidente da República, que deve responder por isso na Justiça", defendeu o integrante da Comissão de Defesa da República e da Democracia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

PRTB no rádio e na TV

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) entra no ar nesta quinta-feira (13) no horário das 20 às 20h05, em emissoras de rádio, e das 20h30 às 20h35, em rede nacional de TV.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Em nota, Renan diz que absolvição é 'vitória da democracia'

O resultado da votação de hoje é uma vitória da democracia, mas é também o momento de refletir sobre as perdas que esse processo político provocou.
Nesses mais de 100 dias, muitos de nós perdemos algo. Eu perdi mais. Abri mão de momentos de convivência com minha família e amigos.
Mas confirmamos que, mesmo com eventuais injustiças e excessos inerentes ao processo democrático, é preciso acreditar nas instituições, fortalecê-las e não perder a confiança de que a verdade sempre prevalecerá.
Não guardo mágoa, nem ressentimentos. O único sentimento que me move é o do entendimento e do diálogo. Esse processo se encerra com a reafirmação do mútuo respeito e da serenidade que sempre caracterizaram a convivência política nesta Casa.
A partir da decisão madura e soberana do plenário do Senado, já comecei a procurar os líderes e presidentes de partidos para prossegurirmos na agenda legislativa que de fato interessa ao país, à população.
Não tenham dúvidas. Saberei corresponder aos anseios da instituição e aproximá-la cada vez mais da sociedade brasileira.
Senador Renan Calheiros
Presidente do Senado Federal

Renan Calheiros é absolvido pelo Senado

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi absolvido nesta quarta-feira (12) das acusações de que teria usado um lobista para pagar despesas pessoais.
Por 40 votos pela absolvição, 35 pela cassação e 6 abstenções, Renan continuará com o seu mandato.
"O resultado é desastroso para o Senado. O Senado sai destroçado. Não há a menor condição de Renan Calheiros continuar na presidência desta Casa. Se os seis que se abstiveram votassem sim, ele teria sido cassado", declarou o senador Jefferson Péres (PDT-AM) após a divulgação do resultado.
"Infelizmente, teremos de conviver com essa realidade", lamentou o senador Marconi Perillo (PSDB-GO).
Demóstenes Torres (DEM-GO) admitiu que votos do Democratas podem ter contribuído para a absolvição do presidente do Senado. "Ninguém imaginava que haveria abstenção num processo como esse. Esse negócio de lavar as mãos é que levou a esse resultado".
Ao deixar o plenário que garantiu a sua absolvição, Renan Calheiros saiu sob vaias e aplausos dos presentes. (Fonte: G1)

Subgrupamento de Bombeiros em Parauapebas tem novo comandante

A unidade local do Corpo de Bombeiros tem novo comandante. No lugar do capitão BM Evaldo Bastos Ferreira (foto) assumiu o comando do XII Subgrupamento de Bombeiros em Parauapebas, esta semana, o também capitão BM Luiz Cláudio, oriundo de Belém.
Em Parauapebas desde 2002, quando a corporação foi instalada no município, capitão Bastos deixou a cidade para submeter-se a um curso de aperfeiçoamento na capital do estado, com habilitação a major.
O ex-comandante do CB aproveita para agradecer o apoio recebido de parceiros, em especial à Prefeitura de Parauapebas, “que nunca deixou faltar nada à corporação nos últimos três anos”, reconhece capitão Bastos, cuja última aparição pública foi no desfile do dia 7 de setembro.

Frieira


terça-feira, 11 de setembro de 2007

Deputado Paulo Rocha lança novo site

As ações políticas do mandato do deputado federal Paulo Rocha (PT-PA) vão estar acessíveis pelo site www.paulorocha13.com. A idéia é tornar o site um espaço democrático, com a participação dos internautas.
Os leitores poderão enviar propostas, críticas e sugestões de projetos.

Independência






Estudantes e entidades desfilam em defesa do meio ambiente
Milhares de estudantes e pessoas integrantes de entidades organizadas desfilaram na manhã da última sexta-feira, 7 de setembro, em Parauapebas, com temas voltados à defesa do meio ambiente.
Sugerido pela prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), o tema aguçou a idéia de professores, estudantes e demais participantes do desfile de 7 de setembro, levando para a avenida os mais variados tipos de reclames e sugestões sobre a preservação ambiental no município.
A parada cívica foi aberta oficialmente pelo prefeito Darci Lermen, que esteve no palco acompanhado de secretários municipais, assessores, autoridades de segurança pública e representantes da Cia. Vale do Rio Doce.
Na oportunidade, o gestor municipal destacou a importância do tema no desfile, “Ambiente, cidadania e sustentabilidade: por uma garantia de qualidade de vida”, enfatizando que a defesa do meio ambiente é uma obrigação de todos os seres humanos.
“A partir de reflexões como estas podemos alcançar idéias que mudem nossos hábitos cotidianos, e assim possamos construir uma cultura sustentável, baseada no respeito à natureza, e conseqüentemente às espécies, sobretudo, a espécie humana”, defendeu Darci Lermen.
Antes da palavra das autoridades, os estudantes José de Jesus, da escola Eurides Santana; Ítalo Gabriel Nascimento de Sousa, da escola Carlos Henrique; e Niely Poliane, da escola Eduardo Angelim, foram convidados a fazer o hasteamento dos pavilhões municipal, estadual e nacional.
Desfile
Pela ordem, desfilaram para o público e autoridades pelotões da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, pelotão de porta-bandeiras, fanfarra municipal, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Sorri Parauapebas e Unidade Especializada de Atendimento ao Deficiente Visual.
Em seguida, entraram na avenida as escolas João Prudêncio de Brito, Carlos Henrique, Sandra Maria, Cecília Meireles, Eduardo Angelim, Olga da Silva Sousa, Primavera, Plácido de Castro, Irmã Dulce, Eunice Moreira, Faruk Salmen, Antonio Vilhena, Jean Piaget, Crescendo na Prática, Marluce Massariol de Souza, Paulo Fonteles de Lima e Carlos Drummond de Andrade.
Depois, apresentaram-se Vale Alfabetizar, grupos de escoteiros, Pastoral da Juventude, Clube dos Motoqueiros, Associação de Mototáxi Carajás, Grito dos Excluídos e outros.
Faixas como “A maior riqueza de uma nação é o espírito de luta de seu povo para preservar a natureza”, “É dever de todos proteger nosso maior patrimônio, pois a nação que destrói seu meio ambiente destrói a si mesma”, “Salve a natureza! Pense nisso”, “Adote uma árvore”, “Cuidar do meio ambiente é responsabilidade de todos”, “O ser humano consciente respeita e preserva a natureza”, entre outras, fizeram jus ao tema do desfile de 7 de setembro deste ano.

Parada GLBT


Seminário debate avanços à educação do sudeste paraense

Um dos maiores ciclos de debates sobre avanços na educação regional é o que o “Seminário de políticas locais para o sul e sudeste do Estado do Pará” vai promover na próxima sexta-feira (14), no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, em Marabá.
As principais instituições de promoção da educação nas esferas federal e estadual serão representadas no evento. As inscrições estão abertas, são gratuitas e podem ser feitas em Marabá, Tucuruí e Conceição do Araguaia.
O seminário é realizado pela deputada estadual Bernadete ten Caten e pelo deputado federal Zé Geraldo, ambos do PT. Na pauta do encontro, estão ensino superior e profissionalizante, desenvolvimento da educação e avaliação da política regional.
O seminário vai reunir representantes do Ministério da Educação, da Universidade Federal do Pará, da Universidade do Estado do Pará, do Centro Federal de Educação Tecnológica e da Secretaria de Estado de Educação.
As inscrições estão acontecendo nos seguintes endereços: em Marabá, na 4ª Unidade Regional de Educação, na rua Frei Raimundo Lambezart nº 2178, telefones (94) 3324-1397 e 3324-3777; em Tucuruí, na escola Raimundo Ribeiro de Souza, rua 31 de Março, Centro, celular (94) 9156-9696; e em Conceição do Araguaia, na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, na rua Frei Antônio Salar nº 255, Centro, fones (94) 3421-0333 e 9152-7927.
Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (94) 3323-5855 e 3012-1006.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

CPMF


Reunião da Aicop

A atual diretoria da Associação de Imprensa e Comunicação de Parauapebas (Aicop) convida todos os associados da entidade para uma reunião a ser realizada na próxima quarta-feira (12), a partir das 18 horas, no restaurante Anabel, localizado na rua D, entre ruas 8 e 9, nos fundos da loja Leolar, bairro Cidade Nova, para tratar da seguinte pauta:
a. Eleição da nova diretoria da Aicop
b. Composição e registro de chapas
c. Definição de data para eleição
d. O que se fizer necessário.
Parauapebas, 10 de setembro de 2007
Associação de Imprensa e Comunicação de Parauapebas (Aicop)
A direção

Assembléia Legislativa vota parlamento jovem

Entra na pauta de votação da Assembléia Legislativa do Estado do Pará, nesta terça-feira (11/09), a partir das 10 horas da manhã, o Projeto de Resolução n° 11/07, que institui o “Parlamento Jovem” naquela Casa.
De autoria da deputada Bernadete ten Caten (PT), a proposição vai permitir o acesso da juventude àquele Poder, num processo educativo de participação e cidadania.
No Parlamento Jovem, 41 pessoas de 15 a 24 anos serão eleitas em pleitos regionais para atuarem num mandato parlamentar simbólico de quatro dias, durante o recesso da Assembléia, em julho.
A proposição, que é inovadora no Pará, segue modelo inaugurado pela Câmara dos Deputados, no ano de 2003, e que já foi implementado nos poderes legislativos de outros estados.
O projeto teve os pareceres favoráveis da Comissão de Constituição e Justiça e da Comissão de Finanças e Economia da Assembléia. A proposição foi apresentada e aprovada pelo movimento social da juventude, em diversas plenárias realizadas pelo estado.
Os jovens ficaram de acompanhar a votação do projeto, nas galerias do Poder Legislativa, a fim de defender a aprovação junto aos demais deputados. (Enize Vidigal)

domingo, 9 de setembro de 2007

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Escrita do Português pode mudar

Em 2008, deverá entrar em vigor o acordo ortográfico da Língua Portuguesa, que vai modificar a grafia de diversas palavras, eliminando o trema, retirando diversos acentos e acrescentando três letras ao alfabeto: k, w e y.
Acordado há três anos entre alguns países lusófonos, o acordo com as novas regras, surpreendentemente, ainda não recebeu a assinatura de Portugal, país-mater da língua.
A idéia das mudanças é simplificar a grafia das palavras, o que tornaria o Português mais objetivo e melhoraria o intercâmbio cultural entre os países. As transformações parecem poucas, mas são significativas.
Além do aumento do alfabeto, que passa a ter 26 letras em vez de 23, o trema vai desaparecer. Portanto, não se escreverá mais “seqüestro”, e sim “sequestro”. As paroxítonas vão perder acentos. O hiato “ôo” vai se transformar em “oo”, ou seja, “enjôo” se escreverá “enjoo”. O acento agudo dos ditongos abertos “éi” e “ói” igualmente não existirão mais. Assim, “bóia” se escreverá “boia”. Outra transformação: o “êem” vai sumir. Em vez de “lêem” será “leem”.
Os acentos diferenciais, que segundo a professora e colunista do Correio Braziliense, Dad Squarisi, deveriam ter desaparecido na reforma ocorrida em 1971, desta vez não escaparam. Sendo assim, péla, pélo, pêlo, pólo, pára, pêra somem de vez. O mesmo acontece com os acentos das palavras “averigúe”, “apazigúe” e “argúem”, que caem em desuso.
Atualmente, o Português é falado por aproximadamente 230 milhões de pessoas que habitam Brasil, Portugal, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Angola, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Por aqui, o MEC já prepara a licitação para a troca dos livros didáticos no ano que vem.
Para o professor do Departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão e integrante da equipe do projeto Atlas Lingüístico do Maranhão (Alima), José de Ribamar Mendes Bezerra, o tempo de efetivação das mudanças vai depender da forma como a população vai assimilá-las.
Outra questão é que as transformações não significam a uniformização da forma de falar o Português. “As variações e diferenças da maneira de tratar a Língua Portuguesa vão ocorrer sempre”, enfatizou.
Ele também comentou que a não-assinatura das mudanças das regras gramaticais por Portugal não será algo significativo na prática, porque em termos econômicos e geográficos o Brasil é mais importante. “Isso não afetará o desenvolvimento do projeto de reforma da língua”, concluiu.
Já o ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou na última terça-feira (4) não acreditar que a reforma ortográfica da Língua Portuguesa saia no ano que vem.
“Provavelmente, a reforma não sairá em janeiro, a menos que Celso Amorim (ministro das Relações Exteriores) tenha informações que eu ainda não disponho. A idéia é conversar com Portugal até o final do ano para estabelecer a data”, ressaltou Haddad.
A CPLP (Comissão de Países de Língua Portuguesa) havia definido que quando três países ratificassem o acordo, ele já poderia ser vigorar. O Brasil ratificou em 2004. Cabo Verde, em fevereiro de 2006, e São Tomé e Príncipe, em dezembro. Mas a reforma ainda não está consolidada. (Eduardo Júlio, de O Imparcial)

Independência ou morte!


Situação caótica no BB de Canaã dos Carajás


Fechada na segunda-feira (3) e reaberta no dia seguinte pela diretoria da instituição financeira, a agência do Banco do Brasil em Canaã dos Carajás, depois de mudança total dos funcionários, vem se tornando um caos para os clientes.
Durante os três dias de funcionamento com a falta de experiência dos novos servidores, a situação é precária na agência, como mostra a foto acima tirada por Bruno França na manhã desta quinta-feira (6), meia hora após o início do atendimento bancário.
A confusão se generaliza dentro e fora do banco, com os clientes querendo ser atendidos todos de uma só vez.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

PV no rádio na TV

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Partido Verde (PV) entra no ar nesta quinta-feira (6) no horário das 20 às 20h10, em emissoras de rádio, e das 20h30 às 20h40, em rede nacional de TV.

Bandeira do Estado de Carajás


Pará deverá ser dividido num período de três anos

O Estado do Pará deverá ser dividido em outros dois estados, Carajás e Tapajós, em um período de três anos. A grande extensão territorial e a ausência do estado na solução dos graves problemas sociais das populações mais afastadas são, até agora, os principais argumentos que o deputado federal Giovanni Queiroz (PDT/PA), autor do projeto que tramita simultaneamente na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.
Para Giovanni Queiroz, é preciso traçar diretrizes e rumos, organizar melhor as estruturas do governo e promover um crescimento mais acelerado de todo o Estado do Pará.
O futuro Estado de Carajás une 39 municípios das regiões sul e sudeste do estado, inclui a represa de Tucuruí e a Serra do Carajás, em Parauapebas – maior província mineral do planeta.
“Criando o novo estado, implica em ter uma política forte, uma administração mais próxima para aplicar os recursos do governo e acelerar o desenvolvimento da região”, afirma o parlamentar, acrescentando ter como principal aliado na criação do novo estado as Forças Armadas, pela preocupação constante com a devastação da Amazônia.
Economia
A região da futura unidade federativa conta com economia dinâmica e forte, baseada na agropecuária. São nove frigoríficos, 20 milhões de cabeça de bovinos, um setor madeireiro consolidado, exploração de minério de ferro e outros minérios, investimentos intensivos em reflorestamento. Mas com deficiência nas áreas de educação, saúde, segurança pública, saneamento, transporte e energia elétrica.
Plebiscito
O Projeto de Decreto Legislativo (PDC) com o objetivo de autorizar o plebiscito, escutar a população sobre a divisão ou criação de um novo estado, pode acontecer no primeiro semestre do próximo ano.
“O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado na Comissão de Constituição e Justiça, e agora está na Mesa Diretora para ser colocado em votação”, enfatizou Giovanni Queiroz.
Se aprovado o projeto e o plebiscito for favorável, inicia-se outro processo, o da lei complementar federal, que poder ter iniciativa tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado. Depois, é feita apenas uma ouvidoria na Assembléia Legislativa e em seguida vota-se a lei complementar que vai à sanção presidencial.
“O objetivo nosso é acelerar esse processo para que nas eleições de 2010 já possamos escolher o governador dos novos estados”, completa o deputado. (Fonte: Diário do Congresso, desta quarta-feira, 5)

Remo despacha o Paulista por 3 a 2

O Remo derrotou o Paulista por 3 a 2 dentro do Mangueirão, nesta terça-feira (4), e interrompeu um breve jejum de vitórias. O time permanece na penúltima colocação da Série B com 21 pontos, e agora vai encarar o Coritiba sábado (8), no Paraná.
O Leão foi superior no jogo, se deu ao luxo de desperdiçar gols praticamente feitos e acabou sendo surpreendido no final do primeiro tempo com Gilsinho. Fábio Oliveira, logo em seguida, empatou o jogo.
No segundo tempo, o Paulista foi logo marcando com um minuto, outra vez com Gilsinho. Mas, aos 6, com Zé Soares, e aos 10, com Fábio Oliveira convertendo um pênalti. No restante da partida, os donos da casa souberam administrar a vantagem e conseguiram a vitória sem novos sustos. (Diário do Pará)

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Manifesto de deputados apóia reajuste de Cfem

Trinta e cinco parlamentares da Assembléia Legislativa do Pará (Alepa) assinaram nesta terça-feira (4) um manifesto elaborado pela deputada estadual Bernadete ten Caten (PT) que apóia o aumento da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) dos atuais 2% sobre a produção líquida para 4% da bruta.
O assunto é alvo do projeto de Lei Federal nº 1.453/2007, de autoria do deputado José Fernando Oliveira (PV-MG). A Assembléia de Minas Gerais já assinou manifesto idêntico.
Os municípios, que sofrem diretamente o impacto ambiental da atividade, reclamam que a arrecadação da Cfem não cresce proporcionalmente ao lucro das mineradoras. A proposta é antiga, mas ganhou força no 8º Seminário Nacional dos Municípios Mineradores, ocorrido nos últimos dias 23 e 24 de agosto, em Belo Horizonte.
Bernadete preside a Comissão Minerária da Alepa, criada em abril deste ano, motivada por um requerimento dela. A comissão vai tratar da elaboração de uma nova política ao setor que traga mudanças além da Cfem, a fim de garantir maior justiça social às populações afetadas pelos danos ambientais e sociais gerados pelos grandes projetos mineradores.
A Assembléia acaba de contratar uma consultoria para a realização de estudo sobre o cenário do setor mineral hoje e embasar a elaboração da nova política.
O trabalho será respaldado pela parceria com o Governo do Estado, através do grupo de trabalho coordenado pelo diretor do Núcleo de Relações Institucionais da Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), o geólogo João Carlos Ribeiro da Cruz.
Dados
Segundo as associações de municípios mineradores de Minas e do Pará, a receita bruta da Companhia Vale do Rio Doce, a maior do Pará, no período de 2000 até 2006 cresceu 516%, saindo de R$ 9 bilhões para R$ 46,7 bilhões. Enquanto o lucro líquido nesse espaço de tempo aumentou 6,29%, gerando o montante de R$ 13,4 bilhões.
No ano 2000, a Cfem total arrecadada no Brasil representava apenas 6,39% do lucro líquido da CVRD, enquanto que em 2006 esse percentual caiu para 3,47% do lucro líquido.
Nos últimos três anos, a fiscalização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) identificou que as mineradoras deixaram de recolher R$ 2,2 bilhões de Cfem em Minas Gerais e mais R$ 600 milhões no Pará. (Enize Vidigal)

Demissão no BB de Canaã foi por apropriação indébita

A propósito do post veiculado em primeira mão neste blog, intitulado “Demissão em massa na agência do BB em Canaã dos Carajás”, e republicado pelo blog “Quinta Emenda”, publico o seguinte comentário postado naquele veículo de comunicação:
“Fonte de responsa do Quinta corrige a informação do Blog do Waldyr: o BB não fechou e nem vai fechar a agência. Mas confirma: foi apropriação indébita, da grossa, que motivou a evacuação dos dejetos que lá furtavam os recursos do banco”.

Sem-terra bloqueiam rodovia no Maranhão

Cerca de 300 trabalhadores sem-terra bloquearam, na manhã desta terça-feira (4), a BR-222, na região de Arari (MA). Eles protestam contra o despejo das famílias que ocupavam terras no município e pedem a presença de negociadores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).
A BR-222 liga o Maranhão ao Pará e a estados da região Nordeste. A Polícia Rodoviária orienta os motoristas a evitarem o trecho. O congestionamento é grande na região.

Maranhão do Sul

Recebi e publico um interessante artigo do jornalista e consultor Edmilson Sanches sobre redivisão territorial no Brasil. Longo, mas vale a pena ser lido.
Quando o assunto é redivisão territorial do Brasil, as pessoas que são contra sacam logo do bolso dois únicos argumentos: 1) vai aumentar a roubalheira, a corrupção; e 2) o país não tem dinheiro para pagar a sua parte da conta (construção, instalações, equipamentos e manutenção de órgãos governamentais e remuneração de servidores).
Sou defensor da redivisão, mas não é isso o que me leva a concluir o quanto esses argumentos são frágeis, ou, no mínimo, apressados. Em relação à corrupção e roubalheira em novos estados, vale lembrar que elas têm a idade do ser humano - que sempre quer mais, mesmo quando se encontra no paraíso. Se o volume de roubalheira e corrupção, calculado em reais ou em dólares, fosse vinculado à redução das endodivisões (redivisão dos estados), São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília sequer existiriam, ou tornariam ao estado de natureza. Neste país se rouba do povo desde sua descoberta - basta citar os quase R$ 700 bilhões em corrupção e desperdício levantados em reportagens do jornal “O Dia” (RJ) em 2002.
Quanto à inexistência de recursos para implantação dos novos estados, diga-se que grande parte do dinheiro que a União investiria (é isso mesmo: investimento, não gasto) retornaria aos cofres do Tesouro Nacional. São altos os impostos incidentes sobre os materiais de construção (perto de 40% no cimento, na tinta e no vaso sanitário e 37% no tijolo). E mais impostos sobre os móveis, as instalações e até o material de expediente e, em especial, sobre a folha de pagamento dos funcionários. Em uma casa popular de R$ 45 mil os impostos “comem” R$ 22.275,00.
Some-se a isso o custo do consumo, os tributos embutidos nos preços dos bens, produtos e serviços pagos com a massa salarial e outros ganhos - impostos que vão de 18% na carne e no feijão, 40,5% no açúcar, a até 56% na cerveja e 83% no litro de cachaça.
Portanto, vale repetir, se o governo federal investir R$ 1,9 bilhão em cada novo estado, ele teria esse valor de volta logo, logo, e com “juros”, pois a nova dinâmica econômica que se desenvolveria na nova unidade federativa aumentaria o bolo dos impostos para os cofres públicos, sem falar nos ganhos indiretos que viriam com a redução de gastos em assistência social, saúde, bolsas-isso e vales-aquilo, já que grande parte da população ficaria ao abrigo de atividades produtivas (assalariados, autônomos, empresários e empreendedores, além de parte no serviço público).
Economistas, sociólogos e outros pesquisadores e estudiosos têm um campo desafiador nesse assunto: o quanto retorna, para a União, do dinheiro investido na instalação de um novo estado.
O economista Roberto Limeira (raro caso de razão e paixão na pesquisa e estudos sobre o tema) mostra por A + B, ou melhor, com todos os números: menos de dois e meio por cento (R$ 12 bilhões) do meio trilhão de reais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC, do governo federal), aplicados na criação de seis estados (Araguaia, Carajás, Gurguéia, Maranhão do Sul, São Francisco e Tapajós), gerariam nessa área (incluindo-se o Estado do Tocantins) um milhão de empregos e riqueza (PIB) de R$ 60 bilhões (atualmente, já são gerados R$ 40 bilhões).
Somente com os impostos e divisas de exportação, em apenas dois anos a União teria o retorno de todo o investimento feito, sem falar nos ganhos sociais, políticos, de auto-estima, de consolidação do território nacional e a repercussão econômica e social nos demais estados, sobretudo os do Sul-Sudeste, que venderiam mais para os novos “irmãos” e “desinchariam” parte de sua população, com a volta de muitos brasileiros para suas origens nortistas e nordestinas.
Geopoliticamente, dividir não é fragmentar, mas consolidar. Se a sede de dinheiro e poder, se os sem-moral e os sem-vergonha da política se aproveitam do sonho da redivisão territorial para cometer seus crimes, onde está a culpa: no sonho ou no vagabundo político que sordidamente se assenhoreia dele? Ora!... Contra a corrupção (e outros crimes) devem agir Justiça, polícia, Ministério Público... e a cidadania vigilante.
Se essas estruturas não são eficazes a ponto de prender esses políticos bandidos, reaver o dinheiro e conter a sangria desatada que vitima o povo, então é bom diagnosticar as razões da ineficácia, receitar o remédio e controlar sua administração (sem trocadilho).
Dividir mais para administrar melhor tem sido tendência e realidade no mundo inteiro. Só os que não se dedicam um pouco mais ao estudo, acompanhamento e análise podem se assentar em bases tão pouco sólidas quanto as alegações de falta de dinheiro e excesso de corrupção como fatores inibidores da redivisão territorial.
Nem o nosso planeta agüentou ser uma terra só. Saiu da condição de Pangéia, dividiu-se em dois supercontinentes e, no momento, são seis continentes. Até o começo do século 20 existiam pouco mais de 70 países. Agora, são quase duzentos. O que a Geologia começou, a Geografia confirmou: dividir faz bem - e a religião e a Filosofia ratificam. Divisão não é o mesmo que apropriação, corrupção. A redivisão territorial é a mais rápida e mais segura forma de promoção do desenvolvimento, de inclusão social. Com roubos e tudo.
A França, país quase do tamanho da Bahia, tem hoje 96 estados (départements), mais quatro além-mar e mais de 36 mil municípios (comunas). Quase 16 vezes maior do que o território francês, o Brasil existe com seus 26 estados e um distrito federal e menos de 5.700 municípios. Os Estados Unidos, com apenas 9% a mais de área que o Brasil, têm 51 unidades federativas e cerca de 30 mil cidades. A Alemanha, com 356 mil km2 (apenas 7% a mais que o Maranhão), tem 16 estados e mais de 12 mil cidades. A Espanha, com 505 mil km2 (bem menor que Minas Gerais), tem 50 estados (províncias) e oito mil cidades, total este semelhante ao da Itália, país com 301 mil km2, bem menor do que o Goiás.
Do “A” do Afeganistão ao “Z” do Zimbábue, a correlação entre área territorial e quantidade de estados (ou similares) encontra no Brasil o país de mais injusto desequilíbrio, especialmente quando a isso se juntam as desigualdades socioeconômicas.
A revista "Veja", que trouxe em 15/08/2007 um texto do paulista e paulistano Roberto Pompeu de Toledo (“O Maranhão do Sul na Wikipédia”), talvez não abrigue réplicas em igual espaço - é a força da “ditadura” e do monólogo dos veículos de comunicação bem sucedidos, que impõem, quase sem reserva, o poder de sua mensagem para o resto do país e para leitores nos quatro cantos do mundo, ouvindo quase nada a população, mesmo quando o assunto tem importância vital sobre o presente e futuro dela.
O articulista Toledo talvez não saiba que a luta pela redivisão do lado sul do Maranhão tem mais de 180 anos. Que nossas riquezas naturais e culturais, a capacidade desbravadora e empreendedora de brasileiros de todo o país e de estrangeiros de todos os continentes fizeram progredir essa região e ainda vão transformá-la em referência de desenvolvimento. É o “estado de espírito” enriquecido com o “espírito de estado”.
Além de estarem incorretas as referências do artigo do sr. Toledo, elas pecam ao afirmar que o Estado do Maranhão do Sul, quando criado, “irá para a rabeira [sic]”. Não irá. Como também não foram o Tocantins e o Mato Grosso do Sul. Pois saiba que a parte sul do Maranhão tem riquezas naturais, geografia estratégica e outras vantagens comparativas e competitivas. O que falta - e disso o Brasil é cheio - é decisão política para promover o desenvolvimento regional com envolvimento do capital humano intelectual e social aqui formado ou que para aqui se transferiu.
Quem é contra a redivisão talvez deseje que o Brasil volte a ser um conjunto de capitanias. Talvez a paulista e paulistana “Veja” e o paulista e paulistano Toledo não se opusessem ao retorno de São Paulo ao território do Rio de Janeiro, a cujo governo “ficou sujeito, tanto administrativamente como no Judiciário”, como anotou Ildefonso Escobar. Ou, alternativamente, São Paulo reintegre-se ao território da Bahia, de cujo governo “ficou dependente” também.
Talvez os paranaenses não se importem se seu estado voltar a pertencer a São Paulo. Talvez os paulistas não se incomodem (afinal, tudo é Brasil) de devolver ou buscar consideráveis glebas dos territórios de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. Talvez a capital Curitiba e o Estado de Santa Catarina voltem correndo para se reincorporar ao estado paulista. Talvez o Rio de Janeiro queira de volta a São Paulo que por algumas vezes lhe tiraram, em um puxa-encolhe que, como sanfona, resfolegou, veio e voltou do século 16 ao século 18.
O Maranhão do Sul será uma realidade - não por força de “jogadas” de enfraquecimento político que nunca existiram. O Maranhão do Sul, mais dias menos dias, virá - não por birra inútil ou vontade fútil. Não. Ele acontecerá como parte do debate nacional e da tendência e prática internacional de dividir mais (o território) para dividir melhor (seus recursos entre os cidadãos). Nesses momentos - e também nos demais -, a corrupção não deve ser entendida como regra, mas como anomalia. Ela é um desvio do caráter humano, não uma característica da gestão da coisa pública, da ciência administrativa.
Em sonho, em lutas, em riquezas materiais, em potencialidades de toda ordem, o Maranhão do Sul é grande. É maior do que a ignorância daqueles que, por falta de interesse ou oportunidade, ainda não sabem do que estão falando. Ou escrevendo.
EDMILSON SANCHES, jornalista e consultor, com pós-graduação nas áreas de Administração, Comunicação e Desenvolvimento, e diversos livros publicados. Contatos: edmilsonsanches@uol.com.br ou esanches@jupiter.com.br

Comissão define percurso e programação da I Parada GLBT

A comissão organizadora da I Parada GLBT de Parauapebas definiu o percurso do evento a ser realizado na cidade. A concentração dos trios e dos participantes será na Praça da Cidadania, bairro Rio Verde, a partir das 13 horas do dia 23 do corrente. Logo após, segue pelas ruas Sol Poente, 16, E até o encerramento na Praça de Eventos, bairro Cidade Nova.
Semana passada, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, membros do Ministério “Cresciendo em Gracia” e a comissão organizadora estiveram reunidos discutindo pautas de segurança, percurso e campanhas de saúde que serão desempenhadas durante o evento.
De acordo com o capitão Sérgio, a Polícia Militar irá estar disponível para promover a segurança. O Corpo de Bombeiros também fará parte. Já o coordenador do Centro de Testagem e Aconselhamento, Alan Weberth, deverá disponibilizar à comissão organizadora cerca de 3 mil preservativos a serem distribuídos na parada.
Percurso
Técnicos do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT) estiveram visitando o percurso com um dos organizadores, Iran Monteiro. Ao final da visita, o percurso foi aprovado.
A expectativa dos organizadores é que a I Parada Gay do município deva atrair cerca de 3 mil pessoas entre gays, lésbicas, bissexuais, travestis e simpatizantes. Um show com uma banda, ainda não definida pela comissão, deverá encerrar o orgulho GLBT na Praça de Eventos.
Programação
A programação cultural do evento começa no dia 19/09 com a I Mostra de Filmes GLBT, no auditório do Centro Universitário de Parauapebas, no período das 19h30 às 22 horas.
Às 19h30, será exibido o filme "Imagine eu & você", com a temática de relacionamentos lésbicos. À noite do dia 20, será a vez do filme "Saindo do armário", abordando a homossexualidade masculina.
Encerrando a I Mostra, no dia 22 de setembro, às 19h30, será exibido o filme "Priscila, a Rainha do Deserto", um marco cinematográfico na história das "drags queens" australianas.
Às 22 horas do dia 22, será realizado o concurso "Miss Gay Parauapebas", com o tema "Uma noite em Hollywood", no Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC). Na ocasião, será escolhida a mais bela representante do município ao concurso do Miss Gay Pará 2008.
Finalmente, no dia 23 de setembro, às 13 horas, será iniciada a concentração da I Parada GLBT de Parauapebas, na Praça da Cidadania, bairro Rio Verde.

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Presidentes de câmaras discutem criação do Estado de Carajás

Vereadores atentos às palestras

Donizete Silva, Miguelito Filho e Agnaldo Ávila

Vereadores presidentes de câmaras municipais das regiões sul e sudeste do estado se reuniram em Parauapebas, na última quinta-feira (30), para fortalecer o movimento de criação do Estado de Carajás.
Tendo como anfitrião o vereador Agnaldo Ávila de Brito, presidente da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Parauapebas, o encontro foi coordenado pela União dos Vereadores do Sul e Sudeste do Pará (Uvespa), que é presidida pelo vereador Donizete Alves da Silva, de São Geraldo do Araguaia, com apoio dos vereadores Agnaldo Ávila e Miguel Gomes Filho (Miguelito), presidente da Câmara Municipal de Marabá, e contou com a presença de mais de duas dezenas de vereadores de Parauapebas, Marabá, São Domingos do Araguaia, Breu Branco, São João do Araguaia, Dom Elizeu, São Geraldo do Araguaia, Pacajá, Brejo Grande do Araguaia, Tucumã, Ourilândia do Norte e outros.
Ao usar a palavra, o vereador Agnaldo Ávila deu as boas vindas aos colegas de parlamento, elogiou o esforço dos vereadores em se deslocar de seus municípios para Parauapebas e lamentou a presença de vereadores de cidades vizinhas como Curionópolis, Canaã dos Carajás e Eldorado do Carajás.
Em seguida, Agnaldo Ávila destacou a necessidade de se criar o sonhado Estado de Carajás, mostrando o descaso dos governantes do Pará para as regiões sul e sudeste do estado, especialmente para Parauapebas, município esquecido pelo governo do Estado.
Segundo Ávila, há muitos anos os governadores do Pará não investem na educação e nem na segurança pública em Parauapebas. O vereador revelou aos presentes que todas as despesas com segurança pública, exceto o soldo (salário) dos policiais, é mantida pela prefeitura, como pagamento de aluguel e manutenção de veículos para PM, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros; aluguel de casas para delegado e comandante da PM; cessão de servidores municipais, entre outras despesas.
Por sua vez, Miguelito Filho enumerou os problemas enfrentados pela população da região com a falta de investimentos na área de saúde, destacando que até a AIH (Autorização de Internação Hospitalar) são mais baratas que em Castanhal, Abaetetuba e outros municípios da grande Belém.
O presidente da Câmara Municipal de Marabá fez referência a diagnóstico feito pela Cia. Vale do Rio Doce sobre o crescimento da população na região nos próximos três anos, lembrando que isto pode transformar as regiões sul e sudeste do Pará num “inferno”, pois, no seu entender, o poder público não vai poder atender os problemas sociais com o aumento da população.
Por outro lado, Donizete Silva enfatizou a necessidade do empenho de todos os vereadores associados à Uvespa na luta pela criação do Estado de Carajás, visitando os 39 municípios, reunindo com as comunidades e sugerindo que a população também levante essa bandeira. Outros vereadores também usaram a palavra, todos irmanados na luta em prol da criação da nova unidade federativa e protestando sobre o movimento existente na capital do estado contra a emancipação de Carajás.

Demissão em massa na agência do BB em Canaã dos Carajás

Alegando prática de irregularidades administrativas, a diretoria regional do Banco do Brasil demitiu nesta segunda-feira (3), por justa causa, todos os empregados da agência do BB em Canaã dos Carajás, do gerente ao prestador de serviços gerais, e fechou o estabelecimento.

sábado, 1 de setembro de 2007

Petistas esperam que plebiscito ajude a anular venda da Vale

A campanha "A Vale é Nossa", pela nulidade da venda da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), ganha intensidade a partir deste sábado (1º), quando começa o plebiscito popular em todo o país para apurar a opinião da população brasileira sobre a privatização da empresa ocorrida em 1997, no governo Fernando Henrique Cardoso.
As urnas vão estar dispostas em todo o país até o dia 9, espalhadas por movimentos sociais, sindicais e religiosos. "O movimento é importante, pois ajuda a esclarecer como foi esse crime contra o patrimônio público bem como a acelerar as ações na Justiça contra a entrega da empresa feita durante o governo tucano-pefelista de FHC", afirmou o deputado federal Pedro Wilson (PT-GO).
Para os petistas, o leilão da Vale constituiu um dos maiores escândalos do governo FHC. Segundo juristas, houve várias irregularidades, entre elas o vínculo entre avaliadores e arrematantes; participação direta de avaliador, sonegação de documento em língua inglesa; e oferta no edital de venda de cláusula de irrevogabilidade e irretratabilidade para atividades dependentes de concessão governamental.
Pedro Wilson lembrou que a empresa foi vendida por R$ 3,3 bilhões, mas tinha em caixa R$ 700 milhões. A "compra" da empresa ainda foi financiada pelo BNDES. O pior, acrescentou o parlamentar, é que à época, no Japão e Europa, avaliava-se que o preço mínimo da Vale seria entre U$ 30 bilhões e U$ 40 bilhões.
A avaliação de outros auditores privados e de funcionários do próprio governo federal dava conta de que a estatal valia muito mais, pelo menos R$ 93 bilhões, ainda assim um valor abaixo do real. Por causa de irregularidades como esta, há várias ações na Justiça contra Fernando Henrique Cardoso e seus ministros.
A expectativa do deputado federal Carlos Abicalil (PT-MT) é de que ampla mobilização nacional no transcorrer do plebiscito impulsione a Justiça a tomar decisões mais rápidas. "Os brasileiros deverão confirmar sua posição contrária à privatização como um todo e da Vale em particular, já que a empresa, construída ao longo de 50 anos por todos os brasileiros, foi liquidada em nome de uma política danosa de redução do papel do Estado", comentou Abicalil.
Para se ter uma idéia da extensão do que foi o escândalo, basta mostrar os lucros da empresa, observou Pedro Wilson. "Nos últimos 18 meses, o lucro foi de quase R$ 20 bilhões". Mas, como observou o parlamentar petista, a questão é muito mais complexa. Uma empresa que era 100% nacional foi leiloada por um preço irrisório a grandes grupos, muitos deles estrangeiros.
"Isso, por si só, foi uma violência contra a soberania nacional, pois nenhum país do mundo pode ter seu subsolo cedido a estrangeiros da forma que empreendeu FHC", lamentou Carlos Abicalil.
O plebiscito sobre a privatização que completa dez anos em 2007 inclui também outras questões como o problema da energia elétrica, a reforma da Previdência, as dívidas interna e externa e a transposição do rio São Francisco. Mas a privatização da Vale é o carro-chefe do plebiscito.

Comunidade do Habitar Feliz II funda clube da amizade

Moradoras atentas às informações da entidade

Com apoio da Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal da Mulher (Semmu), a comunidade feminina do bairro Habitar Feliz II, conhecido popularmente por “Casas Populares”, fundou na última terça-feira (28) o Clube da Amizade Vida Nova, localizado na quadra 29 e lote 4 daquele bairro.
Tendo à frente a dona-de-casa Aniele Cruz Silva, conhecida carinhosamente por “Sula”, a entidade conta inicialmente com a participação de 135 mulheres cadastradas, que vão poder participar de cursos oferecidos pelo clube.
Dona “Sula” explica que desde quando morava no Maranhão ela tinha vontade de fundar uma entidade que pudesse ajudar as mulheres. Diz que ao chegar em Parauapebas conheceu pessoas como o prefeito Darci Lermen, Joelma Leite, João Fontana, José Coutinho, Milton Schneider, “e eles me incentivaram a transformar a idéia em realidade”, completa.
Os primeiros cursos que o Clube da Amizade Vida Nova vai oferecer às associadas são de crochê barbante, ponto-cruz, vagonite, produção de tapetes, calcinhas e outros, num total de treze.
De cada três peças produzidas pelas mulheres, uma fica para a entidade (reposição de material), uma para o instrutor (voluntário) do curso e a outra para a associada.
Segundo a presidente do clube, tão logo a instituição esteja estruturada, ela pretende iniciar movimento para a fundação de uma cooperativa no bairro para beneficiar o segmento feminino.
Além da presença de dezenas de donas-de-casa, a solenidade de fundação contou ainda com as participações da secretária municipal da Mulher, Joelma de Moura Leite, e a da assessora da Semmu, Lia Miranda.
De acordo com Joelma Leite, a prefeitura está apoiando a idéia de criação da entidade e se comprometendo a contribuir num primeiro momento, até que o clube possa andar com suas próprias pernas.
A secretária revela que o primeiro material (matéria-prima) para confecção de artefatos foi doado ao Clube da Amizade pela Semmu. Depois da produção pronta, as mulheres vão vender os produtos (calcinhas, bolsas, bijuteria, tapete e outros) e arrecadar dinheiro para a compra da matéria-prima.
Conforme ainda Joelma Leite, quando o clube estiver bem estruturado, a prefeitura vai apoiar a criação de uma cooperativa para as mulheres, conforme desejo da criadora do Clube da Amizade.

Situação do serviço de mototáxi

Comentário de Roberto Limeira de Castro sobre legalização do serviço de mototáxi no país.
Assistiu o Profissão Repórter de hoje na Globo, Waldyr?
Os números do massacre são impressionantes.
É evidente que não é possível acabar com um transporte tão eficiente e de custo tão baixo para a população de baixa renda.
Também é importante a regulamentação da profissão, mesmo com todos os riscos inerentes. Entretanto, esse movimento dos motoqueiros precisa exigir das autoridades melhores condições de trabalho e maior segurança. Não com apetrechos que só fazem enriquecer os fabricantes, mas com cidades mais humanas, onde as grandes avenidas e estradas de tráfego intenso tenham vias exclusivas para as motos e as bicicletas.
Se não existem modelos ainda, que se pesquise a sua implantação. Que se convoque centenas de arquitetos e engenheiros através de concurso público para apresentação de propostas urbanísticas viáveis para implantação imediata e gradativa, começando pelas grandes metrópoles e afunilando para as médias e pequenas cidades.
O dinheiro que o país perde todos os dias com a morte de tantos jovens, pagamento de hospitais e medicamentos, causas na justiça e indenizações, absenteísmo no trabalho, além de jovens inutilizados e famílias destroçadas compensa qualquer esforço que possa ser feito para humanizar nossas cidades e nossas estradas assassinas.
Todas as cidades do Brasil e do mundo estão se tornando inviáveis economicamente, porque os técnicos responsáveis por solucionar os problemas e as autoridades apenas postergam a busca de soluções.
Que se criem cursos de especialização em tráfego de motos e bicicletas nas cidades, de mestrado e de doutorado e laboratórios de maquetes e simulação de trânsito nas universidades.
Que se mexam os governantes, ministros, reitores, magistrados e também os empresários que fabricam carros, motos e bicicletas em busca de uma solução urbana para salvarmos nossos jovens que são as nossas últimas esperanças de um futuro melhor para o nosso país.

E parodiando Mercedes Sosa, “se não amenizarmos essa dor dos pais que vêem seus filhos destroçados todos os dias às centenas, então, o amor dos casais, a concepção dos filhos e a existência das famílias terão sido em vão”. Ou então, a sociedade, as cidades e o país perderam a razão de existirem.

Liberdade II já conta com iluminação pública

Comunidade do bairro fica mais segura com iluminação

Incluído na relação de obras prioritárias para o segundo semestre deste ano pelo prefeito Darci José Lermen, o bairro Liberdade II já conta com iluminação pública, uma antiga reivindicação daquela comunidade, cuja obra deve ser inaugurada nos próximos dias pelo gestor municipal.
Depois que foi criado, há cerca de três anos, o bairro Liberdade II vem recebendo do poder público infra-estrutura básica como energia elétrica, água tratada, limpeza e abertura de ruas, e até distribuição gratuita de “padrão” para instalação de energia nas residências dos moradores.
De acordo com Jozeri Júnior, um dos responsáveis pela obra de iluminação pública, a prefeitura iniciou os serviços no dia 1o deste mês e encerra neste final de semana, conforme previsão da Secretaria Municipal de Obras (Semob).
Os serviços de iluminação foram feitos em 16 ruas do bairro, totalizando 221 pontos, ou seja, foram instaladas 221 lâmpadas a vapor sódio de 70 watts, embelezando e proporcionando mais segurança para o logradouro.
A Prefeitura de Parauapebas já conta com áreas públicas para construir uma escola com 12 salas de aula e um posto de saúde naquele bairro, cujas obras devem ser iniciadas ainda este ano.

Boxeadores se enfrentam no mês de outubro em Parauapebas

John Anderson


Márcio Boy Boxe

Confirmado para o dia 14 de outubro próximo, a partir das 21 horas no ginásio poliesportivo do bairro Beira Rio, em Parauapebas, o II Intercâmbio de Boxe, quando estarão se enfrentando os pugilistas Márcio Boy Boxe, de Parauapebas, e John Anderson “Renatinho”, de Belém.
John Anderson, 25 anos, é campeão brasileiro e líbero-americano da categoria supermeio-médio, versão Conselho Universal de Boxe (UBC), ao derrotar, por nocaute técnico, Anderson (Pantera) Clayton. Das 14 lutas que empreendeu, “Renatinho” venceu oito por nocaute e quatro por ponto; empatou uma e sofreu uma derrota.
Por sua vez, Márcio Boy Box, 23 anos, vai fazer a primeira luta como pugilista profissional. Das cinco lutas que fez como boxeador amador, Márcio venceu todas elas, sob o comando do treinador Ulisses Pereira, de Belém.
Paralelamente à disputa de boxe, haverá ainda no II Intercâmbio apresentações de luta vale-tudo, jiu-jitsu, caratê, capoeira e judô, numa grande apresentação de atletas de modalidades diversificadas.

O evento tem como patrocinadores e apoiadores a Prefeitura de Parauapebas, Academia Fábrika de Saúde, Projeto Fazendo um Amanhã Melhor (Fam), Rádio Nativa, comércio e empresários da cidade.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Natal Fest

A diretoria da Associação Comercial e Industrial de Parauapebas (Acip) já está trabalhando nos preparativos do 14º Natal Fest, um dos maiores eventos promocionais do município.
No próximo dia 17/09, a Acip realizará coquetel de lançamento da promoção, com a pré-venda de pacotes de patrocínio.
Este ano, o Natal Fest vem com muitas novidades e muito mais prêmios, conforme prometem os organizadores do evento.

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Entidades fazem coletiva sobre plebiscito popular da CVRD

Entidades da sociedade civil e movimentos sociais concedem entrevista coletiva às 10 h desta quinta-feira (30), em Brasília, sobre o plebiscito popular pela anulação da privatização da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), que acontece entre 1º e 9 de setembro, e o lançamento do Grito dos Excluídos de 2007.
Participam da entrevista Marina dos Santos, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST); Silvano da Silva, da Pastoral da Juventude do Brasil; Karla Gamba, do Grito dos Excluídos; e Adriano Campos, da Coordenação Nacional de Lutas. A entrevista será no Centro Cultural de Brasília, na quadra 601, Asa Norte.
Há cerca de seis meses, mais de 62 organizações populares vêm discutindo o processo de privatização do patrimônio público brasileiro, cujo principal estandarte é a venda da CVRD, ocorrida em 1997. Na época, a empresa estava avaliada em mais de R$ 92 bilhões, mas foi vendida por apenas R$ 3,1 bilhões.
A campanha pela retomada da Vale acontece em conjunto com o 13º Grito dos Excluídos, que este ano tem como lema "Isto não vale: queremos participação no destino da Nação".
No Brasil, esta é a terceira experiência de um plebiscito de caráter popular. O primeiro, em 2000, abordou o pagamento da dívida externa e teve como resultado mais de 95,6% dos votos a favor de uma auditoria da dívida externa brasileira.
O mais recente, em 2002, sobre a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), barrou o projeto com o auxílio da mobilização popular: 98,32% dos mais de 10 milhões votantes disseram não ao tratado.

Instalada frente parlamentar para regulamentar profissão de mototáxi

Três mil mototaxistas devem se reunir no DF

O deputado federal Zé Geraldo (PT-PA), presidente da Frente Parlamentar pela Regulamentação das Profissões de Mototaxista e Motoboy, instalada na terça-feira (28), afirmou que a regulamentação dessas profissões irá garantir uma melhor prestação de serviços aos usuários desse meio de transporte.
"No Brasil são milhões que utilizam desse serviço de duas ou três rodas e, infelizmente, por falta de uma legislação federal, os estados e municípios em grande parte não conseguiram ainda legalizar esse serviço," defendeu o paraense.
Segundo o parlamentar, esses profissionais querem uma lei que possa melhorar esse tipo de serviço, com o objetivo também de diminuir o número de acidentes, que tem crescido consideravelmente nos últimos anos no país.
“Há oposição à legalização desse serviço por causa do número de acidentes. Mas há argumentação da categoria de que onde esse serviço é organizado o número de acidentes é muito pequeno em relação a outros meios de transporte", ressaltou Zé Geraldo.
O deputado acrescentou que está previsto para o mês de setembro ato em Brasília que reunirá 3 mil mototaxistas, para pedir à Comissão de Transportes da Câmara que avance com o projeto que regulamenta a profissão.
Segundo ainda o parlamentar, a partir de agora começará o debate sobre a regulamentação nos estados, no sentido de preparar os profissionais do setor para o ato em Brasília.
O deputado federal Leonardo Monteiro (PT-MG), que também participou do lançamento da Frente Parlamentar, pretende discutir o assunto com o diretor do Departamento Nacional de Trânsito, Alfredo Peres.
Monteiro vai pedir a modificação na Resolução 219 para que a mesma atenda também aos motofretistas nas especificações dos tipos de cargas.

Senado aprova aumento de repasse a municípios

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (29) proposta de emenda constitucional que aumenta a participação dos recursos destinados ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) em um ponto percentual, passando dos atuais 22,5% para 23,5%.
Um acordo entre todos os partidos viabilizou a aprovação da proposta em dois turnos, graças à dispensa dos prazos regimentais para realização de oito sessões seguidas. A medida, já aprovada pelos deputados, entra em vigor logo que for promulgada.
Relator da matéria, de iniciativa do Executivo, o líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), afirma no parecer que a aprovação da emenda implicará em um aumento anual nos repasses da União aos municípios em torno de R$ 1,7 bilhão.
Jucá diz ainda que a proposta tem o objetivo de dar clareza à aplicação do aumento pretendido aos repasses do FPM, bem como delimitar objetivamente a sua vigência no exercício deste ano.
Ele lembra que a medida atende ao pedido dos prefeitos, "ao mesmo tempo que faz frente às suas responsabilidades, especialmente no final de cada exercício fiscal, época do ano em que suas despesas se avolumam".

Fap fecha programação parcial

Organizadores da Feira de Agronegócios de Parauapebas (Fap), a ser realizada no período de 29 de setembro a 7 de outubro próximo, acabam de fechar parcialmente a programação do evento.
No dia 29/09, ocorre a tradicional cavalgada ruralista, que percorrerá as principais ruas da cidade, com chegada ao Parque de Exposições, onde acontecerá o almoço de confraternização para todos os participantes. À noite, ainda no mesmo dia, acontecerá o Baile Country, com show e eleição da Rainha FAP 2007.
De acordo com as empresas contratadas para realizar os shows (Marola Shows, Luxus Produções, Batista e Júnior Romão), para o dia 30 de setembro está confirmada a apresentação da dupla sertaneja Bruno e Marrone; para o dia 2 de outubro, Cristina Mel; e para 4 de outubro, Guilherme e Santiago.
Também na programação de shows, com datas a serem confirmadas, estão a Banda Kassikó, César e Matheus, Forró Gata Turbinada e artistas locais. Além disso, a organização do evento está buscando agendar mais dois grandes shows para a Fap.
Além dos tradicionais leilões de Elite e Comercial, será realizado o “Leilão Arca de Noé”, algo inédito e inovador para este ano. Nesse tipo de leilão, serão comercializados avestruzes, muares, asininos e pequenos animais – caprinos, ovinos e aves ornamentais.
Também está programado o 5º Fórum de Negócios, numa parceria entre Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (Siproduz) e Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra).
Para este ano, o leque de palestras será ampliado, com o objetivo de oferecer informações relevantes no que diz respeito ao aumento da renda e qualidade de vida dos pequenos e médios produtores rurais de Parauapebas.
Segundo Agnaldo Ávila, presidente do Siproduz, o foco técnico das palestras, treinamentos, exposição de animais e de maquinário será direcionado para atender à realidade sócio-econômica de Parauapebas, pois um município que tem 82% de suas terras formadas por um Parque de Proteção Ambiental e que deixa ao setor produtivo (zonas urbana e rural) apenas 18%, um evento que representa os produtores rurais só será significativo se trouxer financiamentos e tecnologias de produção condizentes com a realidade local.
O serviço de comercialização para estandes, barracas de alimentação e mídia já está funcionando no Siproduz. Quem estiver interessado pode procurar o sindicato na rua E nº 59, bairro Cidade Nova (altos do Bradesco).

terça-feira, 28 de agosto de 2007

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Comunidade da Vilinha vai contar com nova escola

Escola conta com 4 salas de aula

Buscando atender a demanda da comunidade através do Orçamento Participativo (OP), a Prefeitura de Parauapebas iniciou, há pouco mais de um mês, a construção de uma nova escola na Vilinha, zona rural do município.
Com previsão para ser concluída dentro de 120 dias, a unidade escolar está sendo construída pela empresa Silva Soares Construções Ltda, sob a responsabilidade do engenheiro civil Boleslaw Daroszewski, e conta com 4 salas de aula e uma biblioteca, totalizando 490 m2 de área construída e investimento da ordem de R$ 229.210,64.
A obra, que gera 30 empregos diretos, já concluiu o levantamento das paredes e agora começa a receber madeiramento para cobertura do telhado e posteriormente construção de muro e serviços de acabamento.
Tão logo a escola seja entregue pelo prefeito Darci José Lermen aos moradores da localidade, a comunidade já pensa que a próxima reivindicação será pela construção de um anexo com mais quatro salas de aula para abrigar estudantes do ensino médio.
Este pleito já foi feito ao secretário municipal de Educação, prof. Raimundo Oliveira Neto, mas este vem explicando que, embora o ensino médio seja uma responsabilidade do Estado, a prefeitura já vem estudando a possibilidade de incluir no orçamento para 2008 a construção de um bloco na escola.
Hoje, a comunidade estudantil de Vilhinha, em torno de 170 alunos, é atendida na antiga escola Monteiro Lobato com 4 salas de aula e tem como diretora a profª Rosilda Nunes de Lucena Cunha.
A prefeitura está construindo também na vila Valentim Serra, zona rural, escola similar à que está sendo erigida na Vilinha, obedecendo a pleitos levantados pela comunidade através do Orçamento Participativo.
Desde que assumiu a administração municipal, em janeiro de 2005, o prefeito Darci Lermen já construiu duas modernas escolas nos bairros Maranhão e Vila Rica; está construindo uma no bairro Novo Horizonte, zona urbana, e duas na zona rural.

Estratégia política




domingo, 26 de agosto de 2007

Plebiscito questiona privatização da CVRD

Movimentos sociais, sindicais e religiosos de todo o país organizam o lançamento de um plebiscito popular entre os dias 1 e 7 de setembro para saber a opinião da população sobre a privatização da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD).
A privatização, que completa dez anos em 2007, é considerada por diversos setores da população como um dos maiores crimes contra o patrimônio público.
Outras questões estarão nas cédulas de votação, como o problema da energia, a reforma da Previdência, as dívidas interna e externa e a transposição do rio São Francisco. Mas a privatização da Vale é o carro-chefe do plebiscito.
Em artigo publicado neste mês no Portal do PT, o jornalista José Cristian Góes denuncia eventuais irregularidades na venda da estatal e acusa o governo Fernando Henrique Cardoso (FHC) de ter vendido a "preço de banana" uma das maiores empresas mineradoras do mundo.
O artigo, intitulado "Venda da Vale: o crime faz dez anos", traz números sobre os lucros da estatal que, segundo o jornalista, um ano antes da venda foram superiores ao valor pago pela empresa (R$ 3,3 bilhões). "Historiadores e economistas têm acordo que a venda da Vale figura entre um dos maiores crimes contra o povo brasileiro, contra seu patrimônio", diz trecho do artigo.
O deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR) comentou o plebiscito e disse que é uma iniciativa legítima da população. "Esse plebiscito é importante para conscientizar a população do quanto fomos enganados pelo governo FHC. Independentemente do resultado desta ação popular, ela fará com que as pessoas tomem conhecimento do tamanho da lesão que a privatização da Vale representou para o patrimônio público", declarou.
A reversão da venda, segundo o parlamentar, não depende mais do governo, e sim da justiça. Mas o plebiscito é um instrumento importante para que isso ocorra.
Segundo o deputado federal Devanir Ribeiro (PT-SP), o papel do governo, nesta ação, é de espectador. "Quando assumiu o governo, em 2003, o presidente Lula disse que honraria todos os contratos e responsabilidades do estado brasileiro, e é isso que ele tem feito. De toda forma, o governo é um espectador. O plebiscito é um movimento democrático e poderá dar contribuições significativas para a reversão, não só desta venda, mas também de outros bens públicos que foram leiloados por FHC", avaliou.
De acordo com o parlamentar, o governo brasileiro só poderia pedir o cancelamento da venda caso houvesse algum impedimento jurídico na operação.
Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) vendeu a CVRD por R$ 3,3 bilhões. Na época, a avaliação dos auditores privados e do próprio governo dava conta de que a estatal deveria ser vendida por um preço muito superior, R$ 93 bilhões, ainda assim um valor abaixo do real.
Conforme o artigo de Góes, em 1996, um ano antes da venda, somente o lucro oficial da CVRD foi de R$ 13,4 bilhões. Três meses depois da venda por R$ 3,3 bilhões, o lucro da empresa já era superior aos R$ 4 bilhões.
Em Parauapebas, milhares de exemplares de um informativo denominado “A Vale é nossa” vêm sendo distribuídos nos bairros da cidade, orientando as pessoas para votar no plebiscito em setembro.

sábado, 25 de agosto de 2007

Parauapebas na revista IstoÉ

Fac-símile da matéria na revista
A revista IstoÉ desta semana publica em duas páginas (80 e 81) pesquisa elaborada pelo Databrain sobre atuação da administração do prefeito Darci Lermen. A pesquisa ouviu 800 pessoas no último dia 15 de junho, com três perguntas.
Acompanhe o resultado da pesquisa.
Como o(a) sr.(a) avalia a administração do prefeito Darci?
Excelente: 5,3%
Boa: 26,9%
Regular positiva: 34,3%
Regular negativa: 13,7%
Ruim: 10,5%
Péssima: 4,0%
Não sabe/não quis responder: 5,3%
Onde o trabalho é melhor?
Educação: 25,0%
Saúde: 13,0%
Pavimentação e conservação das ruas e praças: 8,4%
Infra-estrutura urbana: 7,8%
Coleta de lixo: 4,5%
Outros: 12,6%
Em nenhum deles: 11,8%
Após avaliar o desempenho da prefeitura, o(a) sr.(a) afirmaria que a cidade...
Progrediu: 45,9%
Regrediu: 11,0%
Não progrediu nem regrediu: 32,8%
Não sabe/não quis responder: 10,3%
Margem de erro: 3,5%, para cima e para baixo.

Estudantes da zona rural recebem kit escolar da prefeitura

Dando continuidade à entrega de kits escolares aos estudantes de todo município, a Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), entregou na última quarta-feira (22) 650 kits para igual número de estudantes em três escolas da zona rural.
Desta vez, os alunos beneficiados são das escolas Gonçalves Dias (180 kits), localizada na vila Paulo Fonteles; Monteiro Lobato (170 kits), da Vilinha; e Alegria do Saber (300 kits), na vila Sanção.
Os kits contêm duas camisetas com logomarca do governo municipal, caderno de matéria personalizado, borracha, lápis, régua e caneta esferográfica.
Acompanharam a entrega do material o secretário municipal de Educação, prof. Raimundo de Oliveira Neto (foto); a assessora da Semed, Elizângela Teixeira; a representante do programa Vale Alfabetizar, Simone Vilhena; o chefe do Almoxarifado da Semed, Ari Oswaldo Barreto; o coordenador de Educação na Zona Rural, José Orlando Vieira, popular “Zelão”; o vereador Euzébio Rodrigues, entre outros.
De acordo com Raimundo Neto, a meta do prefeito Darci Lermen é entregar, até o final deste ano, cerca de 36 mil kits a todos os alunos da rede pública municipal, cumprindo a inclusão e bem-estar social, prioridades com as quais o governo municipal vem realizando. O secretário lembra que em outras gestões o máximo que se fez foi entregar menos de dez mil kits escolares.
A entrega de cada kit representa, aos olhos dos alunos, a garantia de um sorriso e, ao bolso dos pais, economia considerável. Em termos financeiros, os materiais que compõem o kit, comprados em lojas da cidade, custam em torno de 15 reais, no mínimo. Incluído o uniforme escolar, varia de 25 a 30 reais.
Para os pais de alunos da zona urbana, por exemplo, que já sofrem ao ter de pagar contas de água, luz, telefone e impostos de toda natureza, ver os filhos receberem material gratuitamente é de grande valia. Para os pais que vivem no campo, o benefício pode ser maior, pois não será preciso gastar para ir à cidade comprar o material da garotada.
Entrega de óculos
Paralelamente à entrega dos kits escolares, na vila Sanção, houve distribuição de óculos de grau para 35 pessoas previamente cadastradas e submetidas a consultas oftalmológicas, estudantes da Educação de Jovens e Adultos (Eja).
A entrega dos óculos, feita por Simone Vilhena e Raimundo Neto, faz parte de convênio celebrado entre Prefeitura de Parauapebas e Fundação Vale do Rio Doce, através do programa Vale Alfabetizar.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Municípios minerários defendem aumento da Cfem

Minas de Carajás contribuem fortemente com a Cfem

O aumento da Contribuição Financeira pela Exploração Mineral (Cfem), paga pelas mineradoras aos municípios, foi defendido na abertura do 8º Encontro Nacional dos Municípios Mineradores, em Minas Gerais, nesta quinta-feira (23).
Dentre as 80 prefeituras representadas no evento, estão 25 do Pará, entre estas a de Parauapebas, que fecharam entendimento sobre a defesa pela elevação da Cfem, conhecida também como royalty, dos atuais 2% sobre a produção líquida para 4% sobre a produção bruta. A mudança da lei que regula a contribuição tem que ser feita no Congresso.
A deputada estadual Bernadete ten Caten (PT), presidente da Comissão Minerária da Assembléia Legislativa, que participa do evento, assegurou que vai defender a idéia no estado.
No seminário, organizado pelas Associações de Municípios Mineradores do Pará (Ammip) e de Minas (Ammig) e que termina amanhã (24), está havendo a troca de experiências e o debate de alternativas que extraiam mais avanços socioeconômicos e ambientais na compensação pela exploração mineral.
O movimento dos municípios mineradores será reforçado com a reabertura da Associação Brasileira dos Municípios Mineradores, no próximo dia 17 de setembro, em Brasília.
Ainda não se tem cálculos de quanto os municípios paraenses seriam beneficiados com o aumento da Cfem. A proposta do seminário já encontrou eco na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. “O lucro da Vale, previsto para este ano, é de R$ 22 bilhões. Enquanto isso, a pobreza no Pará cresce”, apontou Bernadete.
“Temos muito a aprender com o exemplo mineiro. Nas audiências públicas, antes dos projetos se instalarem, os municípios formalizaram acordos para garantir programas de sustentabilidade social, ambiental, econômica, cultural e educacional”, relatou a deputada.
Algumas conquistas foram celebradas no evento, como a descoberta dos débitos das mineradoras em R$ 600 milhões com o Pará e em R$ 2,6 bilhões em Minas por irregularidades no recolhimento da Cfem, nos últimos três anos, conforme detectado em fiscalização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).
“O reforço na fiscalização foi possível graças ao concurso público que o governo federal realizou, o primeiro dos últimos 20 anos, para o preenchimento de 300 vagas do DNPM”, ressaltou Bernadete.
Outro ganho destacado foi o fim do abatimento do custo de transporte das mineradoras na contribuição, o que vai ampliar a compensação financeira de Parauapebas em R$ 2 milhões por mês, segundo a parlamentar. (Enize Vidigal)
Atualizado em 16h21, de 24-08
Grande Waldyr:
A nobre deputada Bernadete ten Caten (PT) é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembléia Legislativa. O presidente da Comissão de Ecologia, Meio Ambiente, Geologia, MINERAÇÃO e Energia da AL é o deputado João Salame (PPS), que também está participando do 8º Encontro Nacional dos Municípios Mineradores, em Belo Horizonte (MG). Completa a delegação da Assembléia Legislativa do Pará no evento o deputado Gabriel Guerreiro (PV), que é o representante da AL no Conselho Estadual de Meio Ambiente (Coema). Um forte abraço.
João Carlos Rodrigues

Teimosia


quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Empresários recebem documentos de áreas do Distrito Industrial de Parauapebas

Darci entrega documento para empresária Wânia Fontana

Empresas já começam a se instalar no Distrito Industrial

Sessenta e três empresas receberam oficialmente da prefeitura o termo de doação das áreas do Distrito Industrial de Parauapebas (Dip), durante cerimônia realizada na última terça-feira (21) na Associação Comercial e Industrial de Parauapebas (Acip).
De acordo com o prefeito Darci Lermen, a meta é ampliar esse número para 100 empresas, com a maior parte delas funcionando até o segundo semestre de 2008. O projeto está orçado em torno de R$ 10 milhões.
“Essa não é uma vitória só minha nem dos empresários, mas sim de todos nós, pois lutamos muito para que isso acontecesse. Buscamos a melhor área para o projeto e que não impactasse diretamente no meio ambiente. Conseguimos o espaço certo e privilegiado em função de estar localizado entre dois grandes empreendimentos minerais, o de ferro, em Parauapebas, e o de cobre, em Canaã dos Carajás”, declarou o gestor municipal, ratificando que o Distrito Industrial estará pautado no desenvolvimento econômico, inclusão social e preservação ambiental.
Conforme avaliação do prefeito, a previsão é que pelo menos mil empregos sejam registrados até o final do ano com as primeiras unidades industriais sendo implantadas no Dip.
Para o presidente da Acip, José Rinaldo Carvalho, o distrito é o início da vocação do município, que deve estar voltado para desenvolver a indústria, comércio e setor de serviços. “O Distrito Industrial de Parauapebas vai atrair empresas de ponta e de grande tecnologia para o município, gerando bastante desenvolvimento econômico e social”, prevê.
Localização
O Distrito Industrial de Parauapebas está localizado no km 24 da rodovia PA-160, sentido Canaã dos Carajás. O processo de implantação do Dip iniciou em 2005, quando foi feito o levantamento das áreas propícias para a implantação do projeto.
Escolhida a área, foi feito o trabalho de licenciamento ambiental junto à Sectam, que em junho de 2006 concedeu à prefeitura licença de instalação do distrito.
O tamanho da área a ser utilizada pelas indústrias é de aproximadamente 75 hectares. Já a área destinada à preservação ambiental dentro do distrito corresponde a aproximadamente 79 hectares.
As empresas selecionadas pela Sectam possuem atividades consideradas de baixo impacto e atuam em vários segmentos de produção, como o setor de metalurgia de transformação, artefatos de concreto, imobiliário, locação de equipamentos, material para construção, reciclagem e agroindústria.
Até o final de 2008, serão implantadas aproximadamente 100 empresas no distrito.