quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Vale contesta cobrança de R$ 2,5 bilhões de royalties

A mineradora Vale tenta, na Justiça, cancelar a cobrança de R$ 2,5 bilhões a título de Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) não recolhida no período de 1991 a 2006.
A empresa obteve, no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, com sede em Brasília, uma liminar que impedia a inscrição de R$ 2 bilhões na dívida ativa da União, mas ontem (30) o mesmo tribunal cassou outra liminar da empresa que permitia a contestação da cobrança no Ministério de Minas e Energia.
A mineradora aguarda também uma decisão da Justiça Federal do Distrito Federal sobre outro pedido de revisão a ser feita pelo ministério, no valor de R$ 500 milhões.
A CFEM incide sobre o faturamento líquido das vendas pelas mineradoras e é arrecadada pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Porém, os valores cobrados pela União são contestados pelas empresas, que alegam que a legislação permite abater impostos e despesas com transportes da base de cálculo da contribuição.
Segundo a assessoria de imprensa da Vale, a empresa contestou a cobrança na Justiça em duas ocasiões. Na primeira, em setembro, impetrou um mandado de segurança para que um recurso administrativo - já negado pelas duas instâncias administrativas do DNPM - fosse revisto pelo ministro Edison Lobão.
A 13ª Vara Federal do Distrito Federal concedeu a liminar, mas a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu ao TRF, que em outubro reverteu a decisão.
"A Portaria nº 340, de 2006, do DNPM prevê somente duas instâncias administrativas. Não caberia um recurso ao ministro sobre a questão", afirma o procurador federal Ricardo Mourão, da AGU. A ação ordinária, no entanto, ainda está em tramitação na primeira instância.
Ainda em outubro, a empresa impetrou outro mandado de segurança, pedindo um laudo pericial sobre as cobranças. O pedido foi negado em primeira instância, mas em dezembro o desembargador Antônio Ezequiel, do TRF, concedeu uma liminar suspendendo a inscrição do valor na dívida ativa até que a apelação fosse julgada. O DNPM recorreu da decisão, mas o TRF ainda não apreciou o recurso.
Segundo o procurador Ricardo Mourão, embora o DNPM esteja impedido de inscrever os R$ 2 bilhões na dívida ativa, outros R$ 500 milhões referentes à CFEM já mantêm a empresa nos registros de inadimplentes do governo federal.
A empresa ajuizou, neste mês, um mandado de segurança na Justiça Federal de Brasília para que seu recurso administrativo seja analisado também pelo Ministério de Minas e Energia, mas a Justiça ainda não analisou o pedido.
De acordo com a AGU, a empresa possui outros recursos administrativos ainda em análise pelo DNPM que contestam a cobrança de cerca de R$ 300 milhões referentes a diferenças de cálculo de CFEM. (Alessandro Cristo)

Violência


PT festeja 28 anos de existência dia 13

Começaram a ser vendidos os convites para a festa de aniversário de 28 anos do Partido dos Trabalhadores (PT), que acontece no próximo dia 13 na AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), em Brasília.
Divididos em valores de R$ 50, R$ 100 e R$ 200, os convites devem ser adquiridos na sede do PT em Brasília - Setor Comercial Sul, Quadra 2, Edifício Toufic, 1º andar, telefone (61) 3213-1313.
Além do aniversário do PT, a festa irá comemorar os 25 anos da primeira posse de uma administração petista no país - que ocorreu em Diadema (SP), em 1º de fevereiro de 1983. O então prefeito Gilson Menezes, hoje no PSC, foi convidado para participar da homenagem.
Estão confirmadas as presenças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do vice José Alencar. Durante a festa, será servido coquetel de frutas, pães e canapés, além de vinhos e espumantes nacionais. Haverá música ao vivo e eletrônica. A AABB fica no Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 2, Conjunto 17. O evento começa às 19 horas.

História
O PT foi fundado oficialmente em 10 de fevereiro de 1980, no histórico encontro do Colégio Sion, em São Paulo, coroando um processo que havia se iniciado com a greve dos metalúrgicos de São Bernardo, em 1978, e tomaria impulso decisivo no ano seguinte.
Em 24 de janeiro de 1979, durante o IX Congresso de Trabalhadores Metalúrgicos, Mecânicos e de Material Elétrico do Estado de São Paulo, lideranças e ativistas dos movimentos social e sindical aprovam a proposta feita pelos metalúrgicos de Santo André, que conclama "todos os trabalhadores brasileiros a se unificarem na construção de seu partido, o Partido dos Trabalhadores". Cresce a idéia de criação de um novo partido político e começa a circular o anteprojeto do manifesto para a fundação do PT.

Carta de Princípios
No dia 1º de maio de 1979 é lançada a Carta de Princípios do PT. "O Partido dos Trabalhadores entende que a emancipação dos trabalhadores é obra dos próprios trabalhadores, que sabem que a democracia é participação organizada e consciente e que, como classe explorada, jamais deverá esperar da atuação das elites privilegiadas a solução de seus problemas", sublinha um dos trechos do documento lançado durante as atividades do Dia Internacional dos Trabalhadores.

Movimento Pró-PT
Em 13 de outubro de 1979, durante reunião com 130 representantes de seis estados do país, é lançado oficialmente o Movimento Pró-PT. Na reunião também é aprovada a Declaração Política, que expressa uma plataforma identificada com os anseios dos movimentos populares, e apresentada uma nota contrária à reforma partidária imposta pelo regime.
Um texto com sugestões básicas para a organização do PT, em todos os níveis, aponta a importância de "uma estrutura interna democrática, apoiada em decisões coletivas e colegiadas que garantam, efetivamente, a sua direção política e o seu programa a partir das decisões das suas bases". É eleita a Comissão Nacional Provisória, com dezessete responsáveis pela direção do Movimento Pró-PT.

Fundação
Em um ato realizado no auditório do Colégio Sion, em São Paulo, o Manifesto do PT é aprovado, por aclamação, por 1.200 pessoas. Representantes de comissões regionais de 17 estados brasileiros iniciam a organização do novo partido pelo país e preparam a escolha das coordenações estaduais. Nascia o Partido dos Trabalhadores.

Mapa da violência no Brasil

A Rede de Informação Tecnológica Latino Americana (Ritla), o Instituto Sangari e os ministérios da Saúde e da Justiça divulgaram nesta terça-feira (29) o estudo “Mapa da violência dos municípios brasileiros 2008”.
Elaborado por Julio Jacobo Waiselfisz, diretor de Pesquisas do Instituto Sangari, o estudo analisa a mortalidade causada por homicídios em geral, com foco especial nos homicídios juvenis, por acidentes de transporte e por armas de fogo.
Trata-se da segunda publicação sobre o assunto que analisa a evolução das taxas de óbitos nos 5.564 municípios do Brasil, ocorridos entre 2004 e 2006.
O trabalho fornece subsídios estatísticos para um diagnóstico local e focalizado da realidade da violência letal.
Dos 26 estados, seis têm mais de um terço de seus municípios entre os 10% mais violentos do país: Amapá (50%), Rio de Janeiro (46,7%), Roraima (40%), Pernambuco (40%), Mato Grosso (36,9%) e Rondônia (36,5).
O Distrito Federal (DF) foi considerado como tendo apenas uma cidade (Brasília), que está entre os mais violentos. Assim, o DF aparece na lista com 100% de municípios nessa condição.
Veja abaixo a relação das cidades paraenses entre os 200 municípios brasileiros com maior número de mortes no país:
6ª - Tailândia
11ª - Marabá
12ª - Itupiranga
18ª - Novo Repartimento
28ª - Cumaru do Norte
31ª - Goianésia do Pará
50ª - Nova Ipixuna
51ª - Novo Progresso
53ª - Jacundá
63ª - Tucuruí
75ª - Marituba
76ª - Eldorado do Carajás
128ª - Parauapebas
139ª - Brejo Grande do Araguaia
145ª - Rondon do Pará
165ª - Bom Jesus do Tocantins
176ª - Abel Figueiredo
179ª - Bannach
215ª - Tucumã
221ª - Paragominas
238ª - Sapucaia
266ª - Ananindeua
323ª - Belém
332ª - Pacajá
346ª - Altamira
375ª - Xinguara
400ª - Castanhal
407ª - Palestina do Pará
413ª - Tomé-Açu
439ª - Redenção
445ª - Breu Branco
454ª - Canaã dos Carajás
498ª - São Geraldo do Araguaia
525ª - Curionópolis
(Veja estudo completo)

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Tião volta à Prefeitura de Marabá

Não demorou cinco dias.
A presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Albanira Lobato Bemergüy, acaba de tornar sem efeito a decisão da juíza de Marabá, Maria Aldecy de Souza Pissolati, que havia afastado do cargo o prefeito de Marabá, Sebastião Mirando, por improbidade administrativa.
A decisão da juíza repercutiu negativamente no Tribunal de Justiça do Estado, conforme declarações de desembargadores feitas esta manhã.
Tião Miranda retorna a Marabá amanhã, para reassumir o cargo. (Blog do Hiroshi)

Vale x Prefeitura de Parauapebas


A título de colaboração aos blogueiros de plantão, em torno do assunto envolvendo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Vale e Prefeitura de Parauapebas, transcrevo teor da notificação administrativa encaminhada pelo DNPM à Vale. Acompanhe:
DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - 5º DISTRITO
NOTIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA
PROCESSO DE COBRANÇA Nº 950.977/2007
INTERESSADO: CIA. VALE DO RIO DOCE
...
REFERÊNCIA: NFLDP Nº 02/2004 – 5º DISTRITO DO DNPM-PARÁ
MUNICÍPIO DA EXTRAÇÃO: PARAUAPEBAS
SUBSTÂNCIA MINERAL: FERRO

Comunico à vossa senhoria que foram feitos acertos ex officio nos cálculos de apuração do processo para excluir a multa nos períodos posteriores a fevereiro/2001 e adequar os juros, apesar de não ter sido deduzido pela interessada no recurso administrativo interposto que fora julgado e comunicado a essa empresa através do Ofício nº 2.448/2007, de 12/12/2007, recibado pela mesma no dia 13/02/2007 às 14 horas no Rio de Janeiro (RJ), tudo objetivando atender o comando da Lei 10.195/01 e o Parecer/Proge nº 565/2007.
A retificação processada não modifica o valor principal apurado no processo de cobrança, mas tão-somente visa alterar a aplicação da multa e juros, sem ocasionar qualquer prejuízo a administrada, visto que há redução do valor consolidado, cujo montante final atualizado remonta a importância de R$457.144.762,63 (quatrocentos e cinqüenta e sete mil, ...), consoante planilha de cálculo anexa.
Desta forma, no uso das atribuições que são conferidas pela Lei nº 8.876, de 02/05/94 e Portaria MME nº 385, de 13 de agosto de 2003, o Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM, através de seu agente público competente abaixo firmado, NOTIFICA vossa senhoria para, no prazo de 10(dez) dias, contados da data da ciência desta, caso queira, manifeste-se perante a autoridade administrativa julgadora (Diretor-Geral de DNPM) sobre a adequação dos cálculos (multa e juros) a legislação vigente, pois, vencido referido prazo e tendo em vista o exaurimento da esfera administrativa (trânsito em julgado), os autos serão remetidos para a inscrição em dívida ativa e cobrança judicial.
Aproveito a oportunidade para esclarecer que no prazo delineado a interessada poderá efetuar o pagamento da dívida, devidamente atualizada e com os encargos legais, ou requerer o parcelamento.
Belém, 19 de dezembro de 2007
Every Geniguens Tomaz de Aquino
Chefe do 5º Distrito do DNPM-Pará
Matrícula SIAPE nº 453431
Atualizado em 31/01/2008, às 11h37
Seis dias antes de a notificação administrativa do DNPM ser entregue à Vale, portanto, dia 13 de dezembro, a empresa divulgou nota de esclarecimento à imprensa, que segue abaixo:
Nota de esclarecimento
Com relação à informação divulgada pelo DNPM relativamente à CFEM, a Vale vem a público esclarecer que:
1. Desde 2006 a Companhia discute com o DNPM divergências com relação a valores referentes a processos de cobrança de CFEM.
2. Em prosseguimento às discussões, a Vale entrou na Justiça com dois mandados de segurança: o primeiro, alegando omissão do Diretor-Geral do DNPM na apreciação dos recursos hierárquicos; o segundo, alegando que houve cerceamento de defesa da Vale nos processos administrativos.
3. Com relação ao primeiro mandado de segurança, o juiz de primeiro grau deferiu uma liminar em favor da Vale. A decisão foi derrubada, no mês passado, pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 1a Região, em Brasília, o que levou a Vale a entrar com um pedido de reconsideração, ainda não julgado. No segundo, o pedido da Vale foi indeferido, na semana passada.
4. A Vale então apresentou uma apelação ao TRF1, também na semana passada, com pedido prévio de reconsideração e uma medida cautelar ao mesmo Tribunal, visando obter uma ordem judicial que proíba a inscrição do débito em dívida ativa, não inscreva a Vale no Cadin e para que o DNPM não promova a execução do débito até que haja decisão final sobre o assunto.
5. A Vale esclarece ainda que, diferentemente do publicado na nota da Bloomberg, não recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) nessa ação.
6. Em caso de insucesso dessas medidas, a Vale vai adotar as medidas judiciais cabíveis para defender os interesses de seus acionistas.
Rio, 13/12/07

Desmatamento


Pará: onde di-vi-dir significa somar

* Fernanda Vasques
Em entrevista recente, a governadora Ana Júlia disse que vai lutar pela integração do Pará. Tudo bem, isto é o óbvio. Ela chegou a falar de um tal de "capital político". E eu sinceramente fiquei intrigada: será que a governadora não lê jornal? Será que ela não viaja pelos municípios do sul e sudeste?
Em matemática se aprende que somar e multiplicar é positivo. Dividir e subtrair é negativo. Mas no Pará é diferente. No estado, dividir significa somar. Dividir a pobreza, saúde defasada, estradas mal cuidadas, violência no campo, problemas de segurança pública, gestão ineficiente.
A idéia é transformar tudo isto em... estados fortes, com índice de desenvolvimento humano decente, saúde de qualidade e para todos, estradas onde seja possível transportar o capital do estado, comunicando de maneira efetiva as diversas regiões, campo com igualdade e paz, cadeias menos agressiva aos direitos humanos e que recuperem os cidadãos, gestão eficiente e inteligente: Pará + Carajás.
Por mais que se tente escamotear, o Pará vai muito mal. A governadora não tem sido perseguida pela mídia, ao contrário do que alguns afirmam. Na verdade, o mandato dela tem deixado a desejar e quem diz não sou eu. É a população que visita a Câmara dos Deputados e questiona a desigualdade e o esquecimento a que está acometida.
Por isto, reitero: no Pará, dividir significa somar, quebrar paradigmas.
* Jornalista e mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Sessão solene

O poster recebe convite da nova presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, vereadora Francisângela Ferreira de Resende (PMDB), para participar da sessão solene que marcará o início do período legislativo, às 9h30 da próxima sexta-feira (1º), no prédio do Poder Legislativo municipal.

Classificado

Vende-se um imóvel localizado na rua Parsondas de Carvalho nº 558, Marabá Pioneira, próximo da av. Antonio Maia. Contatos com Mércia Imóveis (Creci 4080) pelo fone (94) 3321-1946 e celular (94) 9163-8626, Marabá (PA).

domingo, 27 de janeiro de 2008

Treze dicas para enfrentar o aquecimento global e outros desafios da atualidade

1 – Na hora de comprar um carro, faça um cálculo simples de qual o tamanho ideal para suas necessidades. Veículos maiores consomem e poluem mais. Modelos do tipo flex fuel (total-flex) estão adequados às normas de proteção ao meio ambiente. Lembre-se: prefira abastecer com etanol.
2 – Carro requer manutenção, não tem jeito. Faça uma regulagem periódica, sempre que possível. Troque o óleo nos prazos indicados pelo fabricante, verifique filtros de óleo e ar. Todas essas medidas economizam combustível e ajudam a despejar menos CO2 no ar.
3 – Carro não é o meio de transporte ecologicamente mais correto. Use-o com moderação, em especial se tiver um enorme 4x4 a diesel. Ande mais em transporte coletivo ou reabilite sua magrela.
4 – Compartilhe seu carro. “Pratique a carona solidária e diminua a emissão de poluentes, levando pessoas que fariam o mesmo trajeto separadamente”, recomenda o ambientalista Fábio Feldmann. Você vai se tornar o cara mais simpático da cidade.
5 – Tem atitude mais grosseira que atirar lata ou outros dejetos pela janela do carro? O castigo para essa gafe é garantido: os resíduos despejados na rua são arrastados pela chuva, entopem bueiros, chegam aos rios e represas, causam enchentes e prejudicam a qualidade da água que consumimos.
6 – Os aparelhos que ficam dia e noite em modo stand by são mais uma nova invenção em nome do conforto. Só esqueceram de dizer que isso consome energia sem necessidade. Puxe a tomada de todos eles quando não estiverem em uso e tenha certeza: o valor de sua conta de luz vai cair bastante.
7 – Na hora de comprar eletrodomésticos, escolha os mais eficientes. É possível reconhecê-los pelo selo do Procel (nas marcas nacionais) ou Energy Star (nos importados). Detalhe: isso não custa nada.
8 – Viva seu dia com luz natural. Abra janelas, cortinas, persianas, deixe o sol entrar e iluminar sua casa, em vez de acender lâmpadas. Além de fazer muito bem ao seu humor, você também vai economizar dinheiro no fim do mês.
9 – Mude sua geladeira e seu freezer de lugar. Ao colocá-los próximos do fogão e de áreas onde bate sol, eles utilizam muito mais energia para compensar o ganho de temperatura. Aproveite para avaliar com seus botões: será que você precisa mesmo de um freezer?
10 – Uma idéia luminosa é trocar as lâmpadas incandescentes do banheiro, da cozinha, da lavanderia ou da garagem pelas fluorescentes. O motivo é para lá de conveniente: elas duram até 10 vezes mais, são mais eficientes e economizam até um terço de energia elétrica.
11 – Pendure as roupas no varal em vez de usar a secadora. Recorra a ela apenas em casos mais urgentes. E aquele truque de colocar panos e roupas para secar atrás da geladeira deve ser abolido, pois consome energia extra.
12 – Não há nada mais fora de moda que usar a mangueira de água para varrer a calçada, a chamada “vassourinha hidráulica”. Em 15 minutos, 280 litros de água escorrem para o ralo inutilmente. Espante a preguiça, pegue a vassoura, junte a sujeira, recolha com a pá e só depois enxágüe o chão.
13 – O que há de errado em tomar água “torneiral”? Saiba que ela é bem tratada antes de chegar à sua casa. Então, instale um purificador na torneira e se esqueça dos incômodos garrafões. O consumo de água engarrafada envolve o transporte em veículos a diesel. É preciso dizer mais? Continua.
Fonte: Manual de etiqueta Planeta Sustentável (http://www.planetasutentavel.com.br/)

sábado, 26 de janeiro de 2008

Justiça afasta do cargo prefeito de Marabá

O prefeito de Marabá, Tião Miranda, do PTB, foi afastado do cargo por decisão da justiça da cidade. É o primeiro resultado da ação protocolada por cinco promotores do MPE, que envolve também o ex chefe da Casa Militar, coronel Coelho, e que acabou sendo responsável pela sua queda , em meados do ano passado.Esta é a segunda vez que Tiao é obrigado a sartá fora da prefeitura.Na primeira ficou longos meses distante do cargo, quando assumiu o presidente da casa de Noca local, Maurino Magalhães, hoje candidato ao cargo de Tião.

Defesa
A defesa de Tião Miranda, nesta segunda-feira, recorrerá junto ao Tribunal de Justiça do Estado, com pedido de suspensão de liminar diretamente à presidência do TJE.
Fundamentos do advogado Inocêncio Mártires
Incompetência do Juízo – Reconhecido pelo STF ações de improbidade administrativa envolvendo prefeitos deverá ser processada original e privativamente no TJE do respectivo Estado.
Impossibilidade jurídica no afastamento – Afastamento previsto na lei de improbidade administrativa, e invocada na decisão da juíza Aldecy de Souza Pissolati, “não se aplica a agente político, mas sim, somente a servidor público”.
Decisão fora do pedido – Segundo Inocêncio Mártires, o Ministério Público não formulou em sua denúncia o afastamento do prefeito, “assim a decisão é tecnicamente nula”. (Fontes: Diário do Pará, Quinta Emenda e Hiroshi Bogéa)

Consolo


Espaço da poesia2

Canção de ninar curumim

Autor: Ademir Braz

É generosa a terra que escolheste: nela frutificaram os pais de teus pais e dos amigos que tiveres, mais tarde, quando a noite sem sonho estabelecer-se entre os que te viram nascer e beberam à tua saúde.

Alimenta-te dela, sempre: come do pubo que alicerça a alma do jabuti que dá sustança da piabanha que nutre a fraternidade.

Não te esqueças nunca do mistério da água sob a pele e que se leva no coração até ao túmulo ou onde quer que se vá.

Ama grande, pequeno. Vive o teu tempo. E quando ficares só - demasiado sozinho - ressuscita nossos bruxos, magos, alquimistas.

Quando eles morrerem, morrerá com eles uma época. Tua é a tarefa de resgatá-los: teu mundo (novo ainda) precisa de um pouco mais de lenda de mistério de poesia.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Concurso da Seduc começa neste domingo

Acontece neste domingo (27) a prova objetiva do concurso C-126, da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), para os candidatos a cargos de nível superior, área meio (serviço social, psicologia etc.), sob a responsabilidade do Cefet (Centro Federal de Educação Tecnológica).
Os candidatos a cargos de nível superior (magistério) farão a prova em 17 de fevereiro. A alteração no calendário de provas foi necessária devido ao grande número de inscritos - cerca de 119 mil em todo o Pará -, de acordo com a Secretaria de Estado de Administração (Sead).
Para os candidatos aos cargos de nível médio e nível fundamental, as provas serão no dia 24 de fevereiro.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Novo hebdomadário em Belém

No próximo dia 1º de fevereiro, uma sexta-feira, deve circular, em Belém, a primeira edição do jornal Folha do Povo, de propriedade do radialista e deputado federal Wladimir Costa Rabelo (PMDB-PA).
Por enquanto, o jornal deve circular semanalmente na capital do estado e em alguns municípios do interior, mas a proposta do parlamentar é que o hebdomadário passe a circular diariamente.
O jornalista Roberto Barbosa (foto), ex-Diário do Pará, foi convidado para responder pela edição do novo jornal belenense.

Mentira e direito à verdade

* Anselmo Borges, no DN:
Todos mentimos. Há, porém, mentiras e mentiras. Tomás de Aquino distinguiu entre mendacium - mentira - e falsiloquium - não dizer a verdade a alguém que não precisa de sabê-la ou não tem o direito de sabê-la. No limite, pode acontecer que mentir seja uma obrigação moral. Se um assassino procura um inocente para matá-lo, deve-se mentir quanto à sua localização. O detentor da chave do segredo para desencadear a guerra nuclear deverá mentir ao terrorista que a exige...
A mentira não se refere imediatamente à verdade, mas à veracidade: dizer a alguém o contrário do que se julga ser verdade, com a intenção de enganar. Aprofundando mais, deve-se acrescentar: não dizer a verdade a alguém que tem o direito de sabê-la. M. Onfray escreveu que nunca se deveria mentir, fossem quais fossem as consequências, como exige Kant; mas, se Kant tem razão em princípio, esse princípio é na realidade não vivível, impraticável; por isso, aceita a definição de mentira como "o facto de não dar a verdade, sem dúvida, mas só a quem é devida". Uns têm direito a ela, outros não: por exemplo, um nazi que procurava um judeu para matá-lo não tinha o direito à verdade.
Deve-se distinguir "a mentira prejudicial, impura, a que procura um engano destinado a submeter o outro, a limitá-lo, a evitá-lo, a desprezá-lo, e a mentira para ajudar, limpa, chamada por alguns mentira piedosa, a que cometemos, por exemplo, com a finalidade de poupar sofrimento e dor a uma pessoa querida".
Em Portugal, quando se olha para as promessas incumpridas dos políticos, jogos obscuros na banca, subterfúgios à procura da localização de aeroportos, uma política de saúde que fecha maternidades e urgências e descura pobres e velhos, o caos na justiça, um leque salarial gritantemente indecoroso, previsões inverdadeiras da inflação e outras infindas manobras com corrupção activa e passiva à mistura, tem-se a sensação de que se avança em terreno minado pela mentira, com uma democracia perplexa, triste e quase impotente. Quando os portugueses têm direito à verdade.
E no Brasil (opinião deste blog)?
* Padre e professor de filosofia em Lisboa, Portugal

‘Pés-inchados’ são retirados do meio da rua

Fotos: Waldyr Silva

Prefeito Darci com alguns dos dependentes


Situação dos "pés-inchados" era deprimente

Vinte e cinco pessoas (entre estas, duas mulheres) que constantemente são vistas amotinadas nas proximidades da Feira do Produtor, no bairro Cidade Nova, consumindo bebida alcoólica, foram retiradas do meio da rua e acolhidas nas instalações da Associação de Pastores Evangélicos de Parauapebas (Apep), localizada na rua A, bairro Primavera.
Os “pés-inchados”, como são popularmente conhecidos, pelo fato de serem viciados em bebida alcoólica, foram acolhidos semana passada com apoio da prefeitura, que vem fornecendo alimentação e assistência médica e psicológica aos dependentes.
Além do atendimento médico e psicológico, as pessoas recebem também orientação espiritual por parte de pastores da Apep, conforme revelação do pastor Adélio Rodrigues Portes, presidente da instituição.
Na última segunda-feira (21), o prefeito Darci José Lermen (PT) esteve na sede da entidade visitando o grupo acolhido, quando na oportunidade tomou conhecimento sobre o atendimento que as pessoas estão recebendo, às quais reforçou o apoio condicionado pela prefeitura, desde que elas não voltem mais a ingerir cachaça.
“Vocês vão continuar recebendo todo apoio da prefeitura, por meio da Apep, mas se alguém sair daqui e voltar a ingerir bebida alcoólica vou dar umas palmadas nele”, brincou Darci Lermen, recebendo a garantia de que as pessoas estão dispostas a se esforçar para driblar a vontade de beber.
Na avaliação do prefeito, o ato da prefeitura e da Apep em recolher da rua os “pés-inchados” para local decente significa “o resgate da dignidade e a vontade de eles se integrarem à sociedade e ao convívio da família”.
Ouvido pela reportagem, o acolhido Amarildo Silva Pereira, conhecido por “Baiano”, declarou que vai fazer de tudo para que a oportunidade dada a ele não seja desperdiçada, “porque aqui na Apep nós temos Deus, enquanto lá no meio da rua nosso Deus era o álcool”.
Filosofando, “Baiano” diz que “a solidão não é a pessoa ficar sozinha, mas estar entre mil pessoas e sentir a falta de alguém, e este alguém era esse acolhimento que estamos recebendo”.
De acordo com o pastor Adélio Portes, os dependentes de álcool vão ficar acolhidos na instituição até, provavelmente, o mês de abril, quando as instalações do Centro de Terapia Êxodo (CTE), localizado a 22 quilômetros do centro da cidade, próximo da vila Palmares II, estiverem prontas para receber essas pessoas.
No CTE, os internos vão poder cultivar hortas e outros produtos agrícolas; e criar pequenos animais e aves, cuja produção deverá ser comercializada e a renda convertida para manutenção da entidade.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Currículo


Empresário quer ação

Estado de Carajás
Preocupado com o atual clima de acomodação política e de silêncio por parte da população local em torno da criação do Estado de Carajás, o empresário Antonio Alencar colocou à disposição da sociedade civil organizada, sem ônus, um prédio de sua propriedade, mobiliado, destinado ao funcionamento do Comitê Pró-Carajás, em Santana do Araguaia.
O empresário assegura que o comitê está à disposição de todos, independente de ideologias políticas, partidárias e religiosas, de forma que a população siga os exemplos de Redenção, Rio Maria e outras cidades que estão empunhando a bandeira dessa causa.
Segundo Antonio Alencar, a televisão tem divulgado chamadas contra a criação do novo estado, com publicidades nocivas, onde nas entrelinhas, sob a alegação da queda na arrecadação de impostos, tenta-se colocar a população de Belém contra a da região sul do Pará.
“É como se pretendesse jogar uma parte do estado, a litorânea, onde fica a sede do governo, contra essa parte sofrida do interior, onde se situam os municípios que deverão compor o futuro Estado de Carajás", observa Antonio Alencar. (Fonte: Diário do Pará)

Vereador de Curionópolis é cassado pelo TSE


O pleno do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou esta semana o vereador Wilson Ferreira da Silva (foto), 35 anos, de Curionópolis, eleito em 2004 pelo Partido da Mobilização Nacional (PMN) e se transferiu para o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) em 30 de setembro de 2007. Assume a vaga de Wilson a suplente Maria de Fátima da Silva Lobão, 45 anos.
Em suas contestações, o vereador afirmou que, somente após três anos eleito pelo PMN, teria percebido que o partido não possuía nenhuma estrutura de organização e apoio aos seus filiados, inclusive sem contar com um local apropriado que servisse de sede social.
Wilson Ferreira também alegou divergências internas a partir da união do PMN com o PMDB sem consultar os filiados. O Ministério Público Eleitoral (MPE) opinou pelo julgamento antecipado da ação e a procedência dos pedidos.
"É preciso, primeiro, assentar a possibilidade de se julgar antecipadamente o pedido de perda de mandato eletivo quando reunidos todos os elementos probatórios e de convicção suficientes para demonstrar os fatos e as pretensões das partes, cuja instrução processual, com a oitiva de testemunhas, apenas retardaria o provimento do Tribunal e, no máximo, confirmaria as alegações das partes", argumentou o relator, juiz federal José Alexandre Franco.
A ação tem por objeto a Resolução 22.526, do TSE, que, em resposta à consulta formulada pelo então Partido da Frente Liberal (PFL), afirmou que os partidos e as coligações são os detentores dos mandatos eletivos, conservando a vaga obtida pelo sistema eleitoral proporcional, quando houver pedido de cancelamento de filiação ou de transferência do candidato eleito por um partido para outra legenda.

Rio Maria
A vereadora Márcia Lopes do Nascimento, de Rio Maria, eleita pelo PMDB, também foi cassada pelo TSE, por ter mudado para o PDT em 24 de setembro de 2007, alegando discriminação pessoal, fato que não ficou provado no processo, de acordo com o relator juiz federal José Alexandre Franco.
As hipóteses de "justa causa" previstas no artigo 1º da resolução 22.610/2007 são incorporação ou fusão do partido; criação de novo partido; mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; e grave discriminação pessoal.
O TRE do Pará já recebeu mais de 140 processos de perda de cargo eletivo, dos quais sete já foram cassados e os demais deverão ser julgados em até 60 dias.
Parauapebas
No final da manhã desta quarta-feira (23), boatos na cidade davam conta que os vereadores Wanterlor Bandeira (PT), Percília Martins (PRTB), Creusa Vicente (PMDB) e Francis Resende (PMDB) também teriam sido cassados, mas isso não foi confirmado pelo blog, até porque, segundo consta, não há nenhuma ação contra os parlamentares.

Oportunidade de emprego

Localizada na Rua E, esquina com a Rua 11, bairro Cidade Nova, Parauapebas, a Casa do Trabalhador está oferecendo vagas a instrutores para ministrar os seguintes cursos:
Secretariado (200 horas)
Garçom e Garçonete (180 horas)
Auxiliar de Contabilidade (220 horas)
Telemarketing (200 horas)
Recepcionista (200 horas)
Os interessados devem mandar e-mail para aprh@amazon.com.br, em atenção a Ediléia ou Sandra.
Os cursos, que serão ministrados para os bolsistas do programa Bolsa Trabalho cadastrados em dezembro de 2007, estão previstos para iniciar no dia 12 de fevereiro de 2008.
Os próximos cadastros para novas turmas serão iniciados a partir de abril de 2008, na Casa do Trabalhador.
Iran Monteiro
Coordenador Casa do Produtor

Fórum Social Mundial 2008: um dia de mobilização e ação em todo o planeta

No próximo sábado (dia 26), milhares de pessoas ao redor do planeta irão marchar, protestar, celebrar e promover discussões em vilas, zonas rurais e centros urbanos em centenas de ações descentralizadas e auto-organizadas.
A previsão é de uma semana de mobilização, culminando no Dia de Mobilização e Ação Global, para mostrar que um outro mundo é possível.
Nestes mesmos dias, o "velho" mundo se encontrará em Davos (Suíça) para o Fórum Econômico Mundial, reunindo seus economistas e especialistas, suas ideologias e técnicas que produzem violência, exploração, exclusão, pobreza, fome e catástrofes ecológicas, privando a humanidade de seus direitos fundamentais e esgotando os recursos naturais da terra.
O Fórum Social Mundial é um espaço aberto ao encontro de movimentos sociais, redes, Ongs e outras organizações da sociedade civil que pretendem levantar questões, debater idéias, formular propostas, compartilhar experiências e construir redes de articulação para ação concreta.
Esses movimentos se opõem ao mundo dominado pelo capital e por todas as formas de imperialismo e dominação.
Desde o primeiro encontro, em 2001, o Fórum Social Mundial se tornou um processo permanente de busca e construção de alternativas às políticas neoliberais.
Nos últimos sete anos, os fóruns sociais mundiais aconteceram sempre no final de janeiro em diferentes lugares do planeta, e esse espírito de diversidade continuará a ser refletido nas atividades planejadas para o Dia de Mobilização e Ação Global de 2008.
O site www.wsf2008.net é a principal ferramenta para articulação dos participantes do fórum descentralizado de 2008. Convide seus amigos e parceiros para se inscrever no site, contribua com os Espaços de Ação, apresente sua atividade, publique vídeos e notícias e conecte a sua ação com outras.

Uab prorroga período de inscrição ao vestibular

A Universidade Aberta do Brasil (Uab) prorrogou, até o dia 14 de fevereiro, o período de inscrições ao vestibular da instituição para este ano. Agora, as provas vão acontecer no dia 2 de março. O adiamento do vestibular se deu em razão do baixo número de inscritos.
A Universidade Federal do Pará (UFPA), organizadora do certame e instituição credenciada a ministrar as aulas e diplomar os alunos, disponibilizou em Parauapebas 50 vagas ao curso de Matemática, 50 ao curso de Letras (com habilitação em Língua Portuguesa) e outras 50 ao curso de Ciências Biológicas, todas em caráter de licenciatura.
Na última seleção da Uab, a concorrência ao curso de licenciatura em Ciências Biológicas, em Marabá, chegou a 7 candidatos para 1 vaga.

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Água Boa, opção de lazer nos finais de semana

Fotos: Waldyr Silva




Localizado no km 35 da rodovia PA-160, sentido Parauapebas/Canaã dos Carajás, o balneário Água Boa vem se tornando um importante point de lazer para a população dos dois municípios.
O local dispõe de estrutura dotada de bar, restaurante, cabanas cobertas de palha, música ao vivo aos domingos e, o mais atraente, piscina com água corrente que vem de uma serra sob gravidade natural.

domingo, 20 de janeiro de 2008

Dia de Combate à Intolerância Religiosa celebrado em Brasília

Pela primeira vez, será celebrado nesta segunda-feira (21), em Brasília, o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Os temas centrais do evento são o enfrentamento do preconceito e formas de estimular a sociedade para a valorização da diversidade religiosa. Mais de 70 instituições e segmentos religiosos foram convidados.
A data é também Dia Mundial da Religião. A Lei 11.635, que estabelece a data, foi assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 27 de dezembro de 2007.
O evento é promovido pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR), em parceria com a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e o Ministério da Cultura, com o apoio dos ministérios do Meio Ambiente, Educação, Justiça e Relações Exteriores.
A cerimônia acontece no Ministério da Justiça, Edifício Sede, sala 400 (Sala de Retratos), no período das 9 às 11 horas.
"A diversidade é uma das nossas grandes riquezas e precisamos estimular na sociedade a convivência pacífica dentro das diferenças", afirma Perly Cipriano, subsecretário de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos da SEDH.
Segundo ele, no encontro serão apresentadas as diversas ações desenvolvidas pela Secretaria desde 2003 e as novas medidas para combater a intolerância.
As religiões de matriz africana são historicamente as que enfrentam o maior preconceito e discriminação no Brasil. Seus praticantes são motivo de todos os tipos de chacota nas mais diversas áreas da sociedade.
Em alguns lugares do Brasil, ainda é necessário a autorização da Delegacia de Polícia para o pleno funcionamento dos cultos de matriz africana (candomblé, umbanda entre outros).
A cartilha Diversidade Religiosa e Direitos Humanos, editada em 2003 pela SEDH/PR, ensina que invadir terreiros, desrespeitar a espiritualidade dos povos indígenas ou tentar impor a eles a visão de que sua religião é falsa; e agredir ciganos devido à sua etnia ou crença é intolerância. Essas discriminações contra religiões contrariam a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Constituição Brasileira.
Na avaliação de Perly Cipriano, a cartilha é um dos exemplos de iniciativa que proporcionaram bons resultados por conta do envolvimento das mais variadas religiões. A publicação ganhou versão eletrônica e já foi reproduzida em diversos países da América Latina.
Outras ações desenvolvidas pela SEDH/PR e seus parceiros são "spot" para rádios sobre o tema, calendário com todas as datas importantes das diversas crenças, debates, entre outros.

Só qualidade garante sobrevivência dos jornais

Luciano Martins Costa em 18/1/2008
Matias Molina é autor do livro "Os melhores jornais do mundo – uma visão da imprensa internacional, uma publicação do jornal Valor Econômico" – através da editora Globo e em parceria com a Companhia da Notícia. Molina é jornalista, nasceu na Espanha, vive no Brasil há mais de cinqüenta anos e é tido como formador de praticamente duas gerações de jornalistas na área de Economia.
Estudou História na Universidade de São Paulo, mas sempre atuou como jornalista. Foi redator da revista de negócios Direção e da Folha de S.Paulo. A partir de 1965 editou as revistas técnicas da Editora Abril e foi o primeiro editor de Exame. Em 1973 voltou à Folha a convite de Cláudio Abramo para atuar no projeto de renovação do jornal. Depois trabalhou na Gazeta Mercantil, da qual foi correspondente em Londres. Entre 2005 e 2006 publicou no Valor Econômico a série de reportagens especiais que são o embrião de Os melhores jornais do mundo. A seguir, sua entrevista – originalmente veiculada no programa radiofônico deste Observatório, de 15 a 18/1/2008.

Observatório da Imprensa - Você é responsável pela formação por pelo menos duas gerações de jornalistas, na área de Economia e Negócios. Durante vinte ou quase trinta anos, você deve ter sido um mestre para muitos profissionais. Como vê hoje a cobertura dos fatos econômicos e de negócios no Brasil?
Matas Molina – Acho que os jornais econômicos têm uma função importante a cumprir – e está sendo cumprida por alguns deles. Com relação à formação de jornalistas, que você mencionou, eu observo que, com algumas exceções muito raras, não há preocupação de formar jornalistas, de treinar; com freqüência, se vê o trainee como uma mão-de-obra barata, o que é um erro. Porque um trainee, para ser bem aproveitado, é mão-de-obra muito cara. Para contratar um deles você entrevista muitas pessoas, escolhe algumas, tem que se dedicar a elas. O tempo que exige a formação é muito grande, de dedicação. É agradável treinar pessoas, muito agradável, muito revigorante. Só que dá trabalho. Você não pode mandar um trainee sozinho, no começo, fazer uma reportagem – tem que acompanhar o repórter mais velho, tem que ver como que o cara faz, tem que voltar, tem que escrever. Treinar dá trabalho. Como isso dá trabalho, a tendência é cada vez menos se dedicar aos trainees. Isso é um problema sério do país, no longo prazo.
OI - E como é que é feita a renovação? Os jornalistas agora são autodidatas?
MM – Há também jornalistas jovens bons, bem preparados. Na minha visão, para ser um jornalista tem que ter cultura, muita cultura. E tem que gostar muito de ler e de escrever. Jornalista econômico para mim não existe – o substantivo é jornalista, econômico é adjetivo. O que importa é ser jornalista. Um bom jornalista, com treino, pode ser um jornalista econômico. Mas se a pessoa entende de economia e não for jornalista, não adianta insistir porque não vai a lugar nenhum. Por isso, um bom jornalista pode ir para a área de economia, pode ir para a área de política ou de esporte, se for bom jornalista, ele vai se especializar. Mas eu insisto, o substantivo é jornalista, econômico é o adjetivo.
OI - Uma das dificuldades da observação de imprensa é a classificação dos veículos. Que critérios você utilizou para selecionar os veículos que você analisa no seu livro? Reputação, tempo de vida, qualidade editorial? Quanto de subjetividade existe nessa seleção?
MM – Você não pode separar uma coisa da outra. Há um critério objetivo, sobre qualidade de texto, sobre o tipo de informação; ao mesmo tempo, há outro critério que é o de reputação – você não pode pensar que não há uma reputação do jornal, que às vezes foi feita ao longo de um trabalho sério. Minha idéia de fazer o livro foi trazer ao Brasil algumas informações sobre os principais jornais do mundo. Permitir que algumas pessoas, que não os conheciam, comecem ter contato, a ter o gosto sobre esses jornais. Essa é a idéia básica do livro – não tem outra intenção senão essa.
OI - A impressão que se tem ao se ler Os melhores jornais do mundo é que os jornais estão sempre em transição. É assim mesmo?
MM – Em geral, todo período é de transição. Uma transição sobre a forma e uma transição na qual a forma de fazer o jornal vai afetar muito o conteúdo. Há uma transição do jornalismo de jornal, escrito e impresso em papel, para um jornalismo que poderá ser uma mistura do jornalismo impresso e do jornalismo audiovisual e de internet. Não acredito que os jornais impressos vão desaparecer, mas acredito que a internet propicia uma incrível condição de você distribuir as informações para um público que antes não teria acesso se o jornal fosse simplesmente impresso. Explico. Há alguns anos, o New York Times fez uma pesquisa e concluiu que talvez uns quarenta ou cinqüenta milhões de pessoas no mundo teriam condições – pela sua formação, pela sua profissão, pela sua formação intelectual, por seus interesses – de ler o New York Times. Só que essas pessoas não poderiam receber o jornal diariamente, de manhã, em sua casa. Alguns estariam na Coréia, outros na China, outros no Afeganistão, outros no Chile, outros nos EUA. A internet permite que todas essas pessoas tenham acesso a esse jornal. Esta é a grande vantagem da internet, aliás, uma das grandes vantagens.
OI - A internet, então, é um risco e uma oportunidade?
MM – A grande oportunidade é a oportunidade da difusão. Nunca os jornais do mundo tiveram tanta difusão, tanta leitura, como hoje, se você considerar o jornal impresso e o jornal de internet. O risco está na questão econômica. Por um lado, a internet permite que você distribua o jornal sem os custos fixos que tem – de papel, de impressão, da distribuição –, que no New York Times, por exemplo, chega a quase oitocentos milhões de dólares, talvez seja perto de um bilhão por ano. Mas a economia da internet não permite que os jornais tenham uma receita que substitua a receita da venda de assinaturas, a venda em banca e da publicidade. E a receita pela venda de conteúdo é muito baixa. E a receita de publicidade da internet é muito inferior à receita de publicidade no papel.
OI - Você falava sobre a crise criada pelo advento das novas tecnologias. Mas há também uma questão de mudança no modelo de negócio que afeta as empresas de comunicação, não é verdade?
MM – O que houve é que a partir dos anos 1960 e 70 as empresas todas nos EUA começaram a abrir o capital. Uma empresa com capital em bolsa, o modelo tem várias características. Uma delas é que a empresa é obrigada a se racionalizar, a ficar mais enxuta, é obrigada a ser mais profissional. O que é bom para a empresa, porque se organiza de maneira empresarial adequada. Tem um lado muito negativo, que é o investidor em bolsa, principalmente os grandes fundos de pensão, fundos de investimento, eles querem retorno sobre o investimento. Então, quando há uma crise econômica onde a economia tem um baque, a pressão para as empresas jornalísticas é que continuem mantendo a elevadíssima margem de lucro ou até aumentado. Para isso, o que fazem? Cortam despesas, cortam pessoal de qualidade (pessoal que é caro) e cortam correspondentes (o que é muito fácil).
OI - Bom, isso acontece praticamente a cada seis meses nos principais jornais do Brasil. E qual a conseqüência disso para longo prazo?
MM – Em longo prazo, significa que há um declínio de qualidade e um declínio até da própria empresa jornalística. Geralmente, como você disse, é um modelo que foi muito negativo para as empresas.
OI - Esse modelo de gestão, pelo corte de custos em detrimento da qualidade, pode afetar o futuro dos jornais?
MM – Isso está afetando muito a qualidade dos jornais e poderá afetar também o seu futuro.
OI - Qual sua definição da qualidade da imprensa em cada uma das mídias? A notícia de impacto, a análise ou o que é que define essa qualidade?
MM – O que está havendo é que talvez, na mídia, haja menos reflexão do que havia antes. E a reflexão quem proporciona, principalmente, é a mídia impressa, os jornais diários impressos. A televisão é um bom meio, tem um impacto imediato, mas não permite a reflexão e não permite, por exemplo, a apresentação de questões complexas. O jornal impresso e a revistas – mais o jornal diário, por causa da periodicidade, que tem um impacto grande – são os grandes meios para a reflexão.
OI - Vamos falar um pouco do futuro. Apesar de tudo, você parece otimista na sua análise da imprensa, a chamada imprensa que importa.
MM – Acho que a sociedade precisa de informação e análise, e quem tem feito esse papel tem sido a imprensa escrita, os jornais que menciono, os jornais de elite. Acho que isso vai continuar – talvez de maneira um pouco diferente, mas vai continuar. Muitos jornais que eram de qualidade foram na tendência contrária. Foram prover mais entretenimento às pessoas: fotografias maiores, títulos maiores e menos análise, achando que com isso atrairiam o leitor. Essa não é a nossa visão. Acho que esse exemplo ajuda a entender um pouco a perspectiva para uma imprensa séria que se dedica a respeitar o interesse do leitor e a fornecer informações e análises para seu leitor. É claro que, no mundo inteiro, em todos os países, há uma elite no país. Uma elite na área pública, um elite na área privada, dos negócios, da cultura, universidade, que precisa dessa confirmação. Sempre haverá uma maneira do jornal impresso ou pela internet, ou ambos, para fornecer essa informação, porque há demanda para isso.
OI - A concentração da propriedade da mídia é um problema?
MM – Essa questão da concentração é muito discutível. Você olha jornais, pega o exemplo que você quiser, em qualquer país; em alguns casos aumentou o número de jornais comprados por uma mesma empresa. Só que aí os jornais perdem importância e surgem outras empresas. Durante várias décadas se disse que a concentração nos EUA da televisão era absurda – redes monopolizavam toda a audiência. Só que as redes, hoje, têm uma pequena fração da audiência que tinha antes, porque a audiência foi fragmentada e setorizada. Hoje você tem players na imprensa que não se tinha há dez anos. Um dos maiores disseminadores de notícias é o Google, que ainda não existia. A área de informação é muito dinâmica e esse dinamismo dificulta a criação de monopólios estáveis de longo prazo. Se é uma concentração periódica ou em um momento dado, ela desaparece em uma etapa seguinte, que pode dar num outro tipo de concentração nessa área, mas novamente se fragmenta e surge outro tipo. Cada um desses meios novos de comunicação entra no mercado, dá cotovelada, se ajusta, pega o mercado, pega uma fatia de cada um deles e espera a próxima geração – que ninguém sabe como vai chegar.
OI - Gostaria que você falasse sobre as novas pautas do jornalismo econômico. Existe agora uma cobrança muito maior em relação à questão da sustentabilidade, à questão da eficiência energética, ambiental e social das empresas. E o jornalismo econômico não parece ainda sensibilizado para o estado do mundo. Existe a possibilidade ou não vai fazer parte do mundo do jornalismo econômico essa preocupação?
MM – Já começou a fazer parte. Talvez alguns jornais não tenham percebido a velocidade com que mudou o mundo dos negócios e há, em alguns casos, uma preocupação grande em cobrir aspectos como a produção e menos o ambiente dos negócios. Ou de cobrir as personalidades dos negócios e não de cobrir os efeitos dos negócios. Mas acho que a tendência é os jornais perceberem isso. Alguns deles podem não ir com a velocidade que seria necessária ou adequada. O grande salto que houve no mercado de capitais, com a criação do novo mercado das bolsas, que é um dos grandes fatores para as mudanças dos negócios feitos aqui, a exigência de mais transparência nas empresas, que obriga, como você disse, a uma renovação da cobertura dos jornais e dos negócios nos jornais – que está acontecendo, mas que ainda demora um pouco mais para ser verdade.
OI - Você é otimista. Qual a capacidade que os jornais têm de se renovar diante desses desafios e seguir em frente no século 21?
MM – Potencialmente, há essa capacidade. O que tem que ver é se as empresas estão dispostas a investir nisto. Elas sofreram muito no começo desta década, tiveram que fazer grandes cortes de custos; a situação econômica está mudando agora. No ano passado, o crescimento do número de negócios de jornais foi bastante sensível, significativo. O que temos que ver agora é se essas empresas estão dispostas também a realocar alguns desses recursos para aumentar a qualidade dos jornais – que caiu bastante com a crise econômica. E temos que ver se eles têm a visão de melhorar a qualidade. Porque este é o fator mais importante de sua sobrevivência em longo prazo. Se um dia o jornal não se tornar indispensável ao leitor, ele não vai ler.

Um ano sem Paulinha


Neste domingo, 20 de janeiro, faz um ano que Paulinha Avlis partiu para o reino do além. Deixou muita saudade para nós, por ter sido, nesta terra, uma pessoa cheia de amor, carinho e compreensão. Mas Deus quis assim. Paulinha, para nós você não morreu, porque continua em nossos corações.
Paula Avlis era uma mulher apaixonada pela família, pelo trabalho e pela vida. Fazia e conservava amigos com muito carisma. Mas partiu muito cedo.

Homenagem de seus familiares e amigos

sábado, 19 de janeiro de 2008

Espaço da poesia

São Sebastião

Autor: Oliveira Neto

Homem tem que ser otimista
Sério e com dedicação
Enfrentar a realidade
Conforme a ocasião.
Pisar firme e ser ativo
Lutar por um objetivo
Como fez São Sebastião.
Foi um soldado exemplar
De reconhecido valor
Arqueiro de Diocleciano
Um terrível imperador
Mas por ser ótimo cristão
Foi levado à prisão
Como um grande traidor.
Quem acredita em Deus
Mesmo morrendo viverá
Pois sua santa palavra
Entre nós sempre ficará
É preciso ter muita fé
Porque Jesus de Nazaré
No fim dos tempos voltará.
A igreja católica
No dia 20 de janeiro
Homenageia esse soldado
Que foi um grande guerreiro
E a nossa cidade
Pra nossa felicidade
O tem como padroeiro.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Câmara dos Deputados gasta R$ 80 mi com verba de gabinete

Os deputados federais em exercício gastaram, somente no ano passado, quase R$ 80 milhões com viagens, combustíveis, consultorias, material de divulgação, aluguel de comitês em seus estados, material de escritório e serviços de segurança.
Além do salário mensal de R$ 16,5 mil, cada deputado tem direito a uma verba indenizatória - "verba de gabinete" - de R$ 180 mil por ano para gastar com essas despesas.
Os números são parte do levantamento "Como são nossos parlamentares", divulgado na quinta-feira (17) pela Ong Transparência Brasil, que fez uma análise de 29 casas legislativas do país (Senado, Câmara dos Deputados, Câmara Distrital e 26 Assembléias Legislativas) e o que fizeram seus integrantes durante todo o ano passado.

Loucura


Corrida de São Sebastião


Programação do carnaval 2008

Quase tudo pronto para a realização do carnaval de rua este ano em Parauapebas.
Nesta quinta-feira (17), a prefeitura repassou aos representantes de três escolas de samba e de 15 blocos carnavalescos a verba de R$ 165 mil, cabendo a cada bloco a importância de R$ 5 mil e a cada escola o valor de R$ 30 mil.

Com o dinheiro na mão, os foliões correm contra o tempo em busca de material para confecção de carros alegóricos, fantasias, abadás e outros adereços.
Acompanhe a programação:
Local: Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC)
DATA - ATIVIDADE - HORÁRIO - OBSERVAÇÃO
03/02 - Pagode Pura Arte - 16 às 20 h - Concurso fantasia
04/02 - Pagode Prata da Casa - 16 às 20 h - -----
05/02 - Pagode Nosso Grito - 16 às 20 h - -----

Local: Praça de Eventos
DATA - ATIVIDADE - HORÁRIO - OBSERVAÇÃO
01/02 - DJ MC Lobato - 18 às 19h30 - Música eletrônica
01/02 - Banda Lance no Olhar - 19h30 às 21 h - Idelfonso
01/02 - Chave da cidade - 21 às 21h30 - Pronunciamentos
01/02 - Desfile de 5 blocos - 21h30 às 23h30 - 30 min. p/cada um
01/02 - Banda Malícia do Pará - 23h30 às 01h30 - Respons. Ediel
01/02 - Banda Luará (PE) - 01h30 às 4 h - Respons. Luxus
02/02 - DJ MC Lobato - 17h30 às 19h30 - Música eletrônica
02/02 - Banda Voz Ativa - 19h30 às 21 h - Respons. Manoel
02/02 - Desfile de 5 blocos - 21 às 23h30 - 30 min. p/cada um
02/02 - Banda Menin. do Forró - 23h30 às 01h30 - Respons. Zuilton
02/02 - Banda Autonomia (PA) - 01h30 às 4 h - Respons. Luxus
03/02 - DJ MC Lobato - 17h30 às 19 h - Música eletrônica
03/02 - Banda Styllo Sensual - 19 às 20h30 - Respons. Nazaré
03/02 - Desf. escol. de samba - 20h30 às 24 h - 1 hora p/cada uma
03/02 - Banda Forroz. Chocolate - 24 às 01h30 h - Respons. Divino
03/02 - Banda Maluquete (BA) - 01h30 às 4 h - Respons. Luxus
04/02 - DJ MC Lobato - 17h30 às 19 h - Música eletrônica
04/02 - Pagode Bangalô do Samba - 19 às 20h30 - Respons. Ariadina
04/02 - Desfile de 5 blocos - 20h30 às 23 h - 30 min. p/cada um
04/02 - Banda Tecno Mania - 23 às 01h30 - Respons. Leonardo
04/02 - Banda Cheiro Baiano (BA) - 01h30 às 4 h - Respons. Luxus
05/02 - Apur. escol. e blocos - 16 às 18 horas - Anima. Campeões
05/02 - DJ MC Lobato - 18 às 20 horas - Música eletrônica
05/02 - Banda Los Migrantes - 20 às 21h30 - Respons. Jorge
05/02 - Prem. bloc. e escolas - 21h30 às 22 h - Entrega de troféus
05/02 - Banda Mistura Quente - 22 às 01h30 - Respons. Francely
05/02 - Banda Escândalo - 01h30 às 4 h - Respons. Luxus

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Jornais batem recorde em Parauapebas



















Parauapebas se desponta talvez como a cidade do interior do país que mais tenha jornal circulando regularmente.
Atualmente, circulam os jornais Correio do Pará (bissemanal), O Regional (bissemanal), Hoje (bissemanal), Carajás, o Jornal (semanal), Impacto (semanal), Jornal Imprensa (semanal), Jornal de Parauapebas (quinzenal), Folha Verde (quinzenal) e Boca no Trombone (quinzenal), todos com sede em Parauapebas.
Além dos veículos locais, circulam ainda na cidade os jornais O Liberal (diário, de Belém), Diário do Pará (diário, de Belém), Opinião (trissemanal, de Marabá), Correio do Tocantins (bissemanal, de Marabá) e outros de menor expressão.
Para completar o quadro, nesta quinta-feira (17) começou a circular o jornal A Folha de Parauapebas, numa proposta para ser semanal.
A cidade já contou com os extintos jornais Tribuna de Parauapebas, Movimento Regional, O Carajás, Estrela do Pará, A Notícia, entre outros.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Vale patrocina curso de reciclagem gramatical para jornalistas

Fotos: Waldyr Silva e Valter Desidério

Professora Laila Vanetti


Jornalistas atentos...


... aos ensinamentos


Em pose, depois do curso

Dezenas de jornalistas de Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá participaram, durante todo o dia desta terça-feira (15), no hotel Vale do Tocantins, em Marabá, do curso de reciclagem gramatical.
Patrocinado pela Vale, em parceria com a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), o curso foi ministrado pela professora e pesquisadora Laila Vanetti, bacharel e mestre em Lingüística pela Unicamp, especialista em Retórica, Argumentação, Lingüística Textual e Análise do Discurso.
De Parauapebas, participaram do treinamento Waldyr Silva (Agência WDC/Ascom), Aline Ribeiro (jornal Correio do Pará), Line Cássia (jornal O Regional), Luiz Bezerra (jornal Hoje), Fabiana Gomes (jornal Impacto), Zinho Bento (Jornal de Parauapebas), José Neves (TV Liberal), Antonio Marcos (TV Band) e Valter Desidério (jornal Boca no Trombone), enquanto que de Canaã dos Carajás foram Juno Brasil (jornal Gazeta), Antonio de Jesus (Rádio Cidade) e Flora Daltro (jornal O Estado de Carajás).

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Guanandi inaugura casa modelo das 12 mil que pretende construir em Parauapebas

A Guanandi, empresa voltada para a construção de núcleos urbanos, do Grupo Wtorre, inaugura nesta terça-feira (15), em Parauapebas, uma casa modelo das 12 mil unidades que pretende construir até 2010 no município.
O objetivo da empresa é construir uma verdadeira cidade planejada, utilizando as mais modernas e eficientes técnicas de construção, de modo a oferecer à população local casas de padrão com custo baixo e com formas de financiamento diferenciadas.
Com a casa modelo, será possível conhecer os detalhes construtivos, receber informações sobre o projeto e até, no caso de interessados, fazer o pré-cadastramento.
Também nesta terça-feira (15), mais de 100 pessoas da região concluem treinamento de qualificação para atuar como corretores imobiliários e prestar quaisquer esclarecimentos sobre o novo bairro que surgirá a partir deste ano em Parauapebas.
O projeto contempla 12 mil casas que serão entregues até 2010, para atender a uma previsão de crescimento expressivo da região, que já se expande a taxas de 19% ao ano.
Há uma grande demanda reprimida por habitação no interior do país e o combate ao déficit habitacional brasileiro, atualmente em torno de 8 milhões de unidades, é uma das missões da Guanandi, que desenvolveu tecnologia de construção modular em larga escala, permitindo entregar as casas num ritmo de até 480 unidades por mês, ou 24 por dia.
Entre os diversos pontos de destaque, a empresa se compromete a utilizar rapidez na construção das unidades habitacionais, em sintonia com as exigências do crescimento de Parauapebas; efetivar treinamento e contratar mão-de-obra local como importante gerador de emprego e renda; utilização mais forte de mão-de-obra feminina nas obras; preservação de milhares de metros quadrados de floresta nativa; e utilizar tecnologia construtiva de ponta, que permitirá excelente relação custo/benefício.
De acordo com Sandra Ralston, presidente da Guanandi, “desenvolver projetos com sistemas construtivos com um único conceito urbanístico, habitacional e tecnológico, baseado em modelos industriais para produção em escala, é o propósito de nossa empresa, e Parauapebas será a primeira cidade do Brasil a se beneficiar desta operação”.
O foco principal está na qualidade de vida, por meio da união de moradia, trabalho, lazer e cultura. E tudo isto com o que há de mais moderno em termos de conceitos de sustentabilidade: economicamente viável, ambientalmente correto e socialmente justo.

Cultura política e oposição

* Maurício Rands
Muito se fala de reforma política no Brasil. Mas, e a nossa cultura política? Robert Dahl ("Polyarchy", 1971) identificou duas dimensões teóricas essenciais à democracia: 1. nível de permissão de oposição, de contestação e de competição política; e 2. nível de participação da população no sistema político. Para ele, cada uma dessas dimensões exige garantias institucionais: liberdade de associação, de expressão, direito ao voto, direito de ser votado, fontes alternativas de informação, eleições justas e livres, e regras democráticas para formulação das políticas públicas. Mas, para que estas garantias possam dar conteúdo às dimensões democráticas por ele indicadas, não bastam os arranjos institucionais. Há que se desenvolver uma cultura política favorável às referidas garantias. Quanto mais os valores democráticos forem interiorizados pelos cidadãos, mais consolidada será uma democracia. Para que haja oposição e competição política real (1ª dimensão) e ampla participação (2ª dimensão), é necessário que os atores se reconheçam e se legitimem reciprocamente.
O Brasil precisa de mudanças nas regras do jogo político-eleitoral. Mas elas não bastam. Estará nossa cultura política em harmonia com os valores que dão conteúdo à democracia? As sondagens de opinião realizadas sobre a votação da CPMF mostraram uma avaliação dominante de que a oposição a rejeitou movida mais pelo interesse em infligir uma derrota ao presidente e enfraquecê-lo nas próximas eleições.
Idêntica motivação tem estado na base das táticas parlamentares da oposição nos últimos cinco anos. Mais que o mérito da proposta, prevalece o cálculo político quase sempre eleitoral. A lógica binária do jogo de soma zero. Como se a identidade oposicionista somente se afirmasse na rejeição de cada uma das proposições defendidas pelo governo. Como se o ser oposição nada tivesse a ver com a adoção de outros valores e, sobretudo, de projeto global alternativo para o país. Mas esse foi o modelo que o partido do presidente adotou quando estava na oposição, argumenta-se. Como se um modelo equivocado justificasse a sua perpetuação quase que por vendetta. O argumento fica ainda mais frágil quando se observa que o partido do presidente, então, colocava-se contra o conjunto do projeto de governo que estava sendo aplicado. E que, sobretudo, tratava-se de um partido que apenas havia sido fundado, ainda marcado pelas lutas contra um regime ditatorial.
Mas o que dizer de um modelo de oposição fundado na velha lógica quando quem o pratica vem de longa experiência de governo? Talvez uma maior adesão aos valores de uma cultura política mais democrática possa descortinar práticas oposicionistas diferentes das que estamos experimentando.
* Deputado federal e vice-líder do PT na Câmara dos Deputados

domingo, 13 de janeiro de 2008

Escolas e blocos carnavalescos se preparam pra folia


A valorização da cultura é uma marca do Governo Cidadão. Assim, a prefeitura está trabalhando para realizar o melhor carnaval do sul e sudeste do Pará neste ano.
O tradicional desfile das escolas de samba e dos blocos carnavalescos acontecerá na Praça de Eventos, bairro Cidade Nova, no período de 1º a 5 de fevereiro, a partir das 20 horas, com estrutura em camarotes, palco, iluminação, sonorização e segurança.
A programação momesca deste ano contará com três escolas de samba, dezesseis blocos carnavalescos, cinco bandas nacionais e bandas locais, além da animação de DJs.
Este ano, a Prefeitura de Parauapebas convencionou apoio financeiro de 30 mil reais para cada uma das escolas e 5 mil reais para cada bloco carnavalesco, cuja importância deve ser repassada aos foliões na próxima quarta-feira (16).
A prefeitura vem tendo todo cuidado para que o público mirim possa ter espaço na programação, oferecendo matinês no Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC), do dia 3 até o dia 5 de fevereiro, sempre às 16 horas.
As escolas de samba serão julgadas por dez jurados nos quesitos enredo, comissão de frente, samba-enredo, bateria, alegorias e adereços, mestre-sala e porta-bandeira, evolução, harmonia e fantasia.
Para os blocos, os jurados atribuirão notas para os quesitos tema, estandarte com o nome da entidade carnavalesca, máscara e fantasia criativa, alegorias e adereços, quantidade de foliões e empolgação e criatividade.
A administração municipal está dispondo para cada escola de samba verba no valor de R$ 30 mil e premiação com troféu de vencedora do carnaval 2008. (Marcyne Paula)

sábado, 12 de janeiro de 2008

Prefeito anuncia obras para 2008

Fotos: Waldyr Silva








Assessorado pelo chefe da Assessoria de Comunicação (Ascom) da Prefeitura, Alexandre Magno Rosa Maia, o prefeito Darci José Lermen concedeu entrevista coletiva no final de ano, no restaurante Biscuit, quando na oportunidade fez levantamento das obras executadas e enumerou as que serão feitas no decorrer de 2008. Após a entrevista, foi oferecido jantar aos membros da imprensa, num grande momento de descontração.
Após a abertura da coletiva feita pelo titular da Ascom, o prefeito Darci Lermen agradeceu a todos os repórteres presentes, falou do bom relacionamento do governo com a imprensa e passou a relacionar várias obras executadas no decorrer dos três anos de administração, destacando, entre outras, o apoio dado às crianças, aos jovens e às mulheres, através dos programas sociais.
O gestor municipal citou ainda os serviços de melhorias prestados à saúde pública, com ampliação do quadro de profissionais, aquisição de novos equipamentos, construção e reforma de postos de saúde e a descentralização do laboratório de análises clínicas.
Não deixou de enumerar as frentes de trabalho executadas pelo programa Minha Rua, que deu possibilidade de trafegabilidade a diversos bairros periféricos da cidade, com aplicação de asfalto de primeira qualidade, além da melhoria da malha viária na zona rural.
Darci Lermen lembrou ainda a execução das obras do novo Hospital Municipal de Parauapebas (HMP) e UTI do HMP, do novo prédio da prefeitura, do novo estádio Rosenão, das escolas nos bairros Liberdade II, Nova Vida e Casas Populares II; qualificação do sistema de água tratada e implantação do aterro sanitário.

Obras em 2008
Por último, o prefeito relacionou uma série de obras que pretende realizar no decorrer deste ano, em quatro eixos estratégicos (inclusão social e cidadania; integração municipal; desenvolvimento sustentável; e gestão democrática e participação popular), conforme relação abaixo:
Construção da orla do rio Parauapebas
Ginásio poliesportivo no complexo Altamira
Pórtico na entrada da cidade
Escolas infantis nos bairros Bela Vista, complexo Altamira e Palmares I e II
Continuação do projeto Minha Rua (pavimentação comunitária)
Postos de saúde nos bairros da Paz, Betânia e Liberdade II
Implantação de adutora de água em ferro fundido
Sistema compacto de captação, tratamento e distribuição de água nos bairros Nova Vida e Liberdade II
Revitalização da praça de alimentação no “Costa pra Rua”
Feiras populares em três bairros da cidade
Padronização das calçadas nas ruas Sol Poente, Rio de Janeiro e JK
Extensão das ruas 16 e Belém
Praças nos bairros da Paz, Vila Rica e Casas Populares (duas) e na vila Cedere I
Pontos de ônibus coletivo
Centro Cultural de Parauapebas
Sede do Clube dos Servidores Públicos Municipais

Programas prioritários
Saúde da Família (PSF)
Humanização da Saúde
Atenção Integral à Mulher
Habitação popular
Modernização agrícola
Juventude cidadã
Coleta seletiva de lixo
Participação popular
Inclusão digital
Distrito industrial
Pólo moveleiro
Esporte e lazer
Reinserção na atividade produtiva
Revitalização do igarapé Ilha do Coco
Projeto Pipa
Atendimento a deficientes visuais
Emissão de documentos pessoais
Cidade limpa
Humanização do trânsito
Regularização dos vendedores ambulantes
Valorização dos servidores públicos
Regularização fundiária
Apoio ao desporto amador
Jogos municipais
Regularização de ligações clandestinas de água
Fornecimento de kit caixa d’água.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Curso de reciclagem gramatical

Em parceria com a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), a Vale realiza na próxima terça-feira (15), a partir das 8 horas, no auditório do Hotel Vale do Tocantins, em Marabá, o Curso de Reciclagem Gramatical, destinado a jornalistas da região.
A empresa disponibilizará transporte, hospedagem e alimentação para profissionais de comunicação que moram fora de Marabá.
Para os repórteres de Parauapebas, será disponibilizada uma van, que sairá às 15 horas de segunda-feira (14) da Praça de Eventos, em frente à Câmara Municipal, com destino a Marabá, com retorno previsto para as 18 horas de terça-feira (15), após o final do curso.

Volta às aulas


quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Lazer em Belém e Mosqueiro

Fotos: Gabriel, Valdeci e Waldyr
Forte do Castelo, com Ver-o-Peso ao fundo

Parque da Residência, tendo ao fundo um antigo Cadilac

Parque da Residência, ao lado da estátua de Ruy Barata

Praça dos Tamarindos, Mosqueiro, com Fátima e Lídio

Pedral na praia Grande, Mosqueiro
Praia Grande, com Lídio, avô de Gabriel e meu sogro


Gabriel, numa barraca na praia Grande
Nas "férias" de 8 dias, acompanhado de meu filho caçula Gyancarlo Gabriel, de 7 anos de idade, publico algumas fotos tiradas em Belém e na vila de Mosqueiro.

À imprensa

Prezados,
Cumprimentando-os e ensejando um ano novo bom a toda a sua equipe, informos-lhe que, desde outubro/2007 a Procuradoria da Prefeitura Municipal de Canaã dos Carajás protocolou 6 projetos de lei junto à Câmara Municipal de Canaã e, apesar de reiterar a urgência dos projetos a serem colocados para apreciação e votação dos vereadores, o então presidente da câmara, vereador Zito Augusto, não colocou os assuntos em pauta.
Os projetos de lei, fundamentais para a estabilidade e o desenvolvimento de Canaã, tratam da prorrogação dos contratos dos servidores temporários, da política habitacional, do orçamento anual de 2008, da realização de concurso público, da taxa de mineração e da política de ambiental.
Vendo que o assunto não fora colocado em pauta durante as sessões ordinárias, a Prefeitura solicitou ao então presidente da Câmara que colocasse os projetos para apreciação, em caráter de urgência, no dia 29 de dezembro, último dia útil de 2007.
A resposta a todos os interesses da população foi o NÃO.
Como resultado dessa irresponsabilidade, entramos 2008 sem condições de contratar os servidores para que possam prestar serviços à população, bem como sem orçamento, ou seja, o então presidente e a oposição apostaram no caos e no ódio como forma irresponsável de fazer oposição. Foi um Não ao povo de Canaã, que agora está sem o funcionamento dos postos de saúde, das escolas e dos serviços de assistência social. E os servidores públicos, sem os contratos, não poderão receber seus salários no final do mês.
Também o concurso público, prioridade da atual gestão para o início de 2008, que garantiria segurança e estabilidade para mais de 500 famílias em Canaã dos Carajás, está inviabilizado.
A população e os servidores públicos estão revoltados e exigem que a Câmara coloque os projetos para votação.
Na condição de secretária de comunicação da Prefeitura de Canaã dos Carajás, juntamente com o colega Carlos Magno, nosso assessor de comunicação, coloco-me à inteira disposição de seu jornal para maiores informações.
Aguardamos que o novo presidente da Câmara, vereador Omilton, bem como todos os vereadores que a compõe dêem uma resposta à altura da urgência e colocando os projetos para apreciação, votem, com data retroativa a 1o de janeiro deste ano. Centenas de servidores municipais e populares têm nos procurados expressando esse sentimento de indignação.
Todos entendemos que a oposição é parte do jogo democrático, desde que seja uma oposição responsável e não conflite com os interesses do povo de Canaã, como está acontecendo agora.
Em consonância com os apelos populares e com a voz da consciência, dizemos: Não ao ódio e não à politicagem! Não ao caos e não à irresponsabilidade!
O povo de Canaã merece respeito e merece ser feliz!
Contatos podem ser feitos por este e-mail (ghyslainea@gmail.com) e também pelos fones (94) 9152-1573 (Ghyslaine e Graça) e (91) 9151-3264 (Ghyslaine).
Muito obrigada,
Ghyslaine Cunha
Secretária de Comunicação da Prefeitura de Canaã dos Carajás

Voltamos!

Depois de 8 dias de "férias" longe da internet, o blog volta paulatinamente à sua normalidade a partir deste final de semana. Obrigado pela compreensão.
WS

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Como a fé resiste à descrença

Excerto do artigo Como a fé resiste à descrença (do jornalista André Petry, revista VEJA), onde se refere às transformações na identidade religiosa da população brasileira.
(...) Em maio passado, o instituto DataFolha fez uma pesquisa sobre religiosidade por ocasião da visita ao país do papa Bento XVI. A pesquisa relevou a dimensão impressionante da fé brasileira: 97% disseram acreditar na existência de Deus, 93% informaram crer que Jesus Cristo ressuscitou depois de morrer crucificado e 86% concordaram que Maria deu à luz sendo virgem.
Com números tão possantes, não há dúvida de que o Brasil figura entre os países mais crédulos do mundo – e isso abre um paradoxo.
São cada vez mais abundantes as descobertas científicas sobre a origem do universo e das espécies. Se a credulidade não se abala diante disso, é lícito questionar que talvez nenhuma prova científica, por mais sólida e contundente, seja capaz de reduzir a pó o teísmo, a crença no divino (...)
De 1940 a 1970, a turma dos brasileiros sem religião ficou praticamente do mesmo tamanho, atolada em menos de 1% da população. Nas últimas três décadas, saltou de 1,6% para 7,3% (gráficos e mapa ainda não disponíveis online). Os sem-religião já são o terceiro maior grupo, atrás de católicos e de evangélicos.
Pelos dados do último censo, os sem-religião eram 12,5 milhões, mais que um Portugal inteiro. Não são todos ateus, é claro. Entre eles, há agnósticos, secularistas, céticos e até quem acredita em Deus, mas não pratica nenhuma religião.
O IBGE não pergunta aos entrevistados se são ateus ou não. Calcula-se, no entanto, que os ateus sejam uns 2%. Nos Estados Unidos, eles oscilam nessa faixa, mas os sem-religião de lá chegam aos 15%. No mundo, os ateus são uns 4%. São poucos, sobretudo se comparados aos bilhões de cristãos, muçulmanos e judeus, para ficar apenas nas três grandes religiões monoteístas, mas é uma massa crescente, principalmente nos países desenvolvidos. Na Espanha, Alemanha e Inglaterra, menos da metade da população acredita em Deus. Na França, os crentes não chegam a 30%.
Entre os brasileiros sem religião, a maior curiosidade está na Bahia de Todos os Santos, terra onde frei Henrique de Coimbra rezou a mítica primeira missa, em 26 de abril de 1500. A Bahia, que abriga Nova Ibiá e seu esquadrão de sem-religião, é o terceiro estado com o maior contingente de brasileiros sem filiação religiosa. E Salvador, entre as capitais, é a campeã nacional: 18% dos soteropolitanos não têm religião. Considerando-se o país todo, os sem-religião são mais numerosos entre os homens e entre os brasileiros com menos de 55 anos. Não se sabe de onde eles vêm. É provável que venham do rebanho de católicos desgarrados. O Rio de Janeiro, por exemplo, é o estado menos católico do país e, simultaneamente, tem o maior pelotão de sem-religião. Também é certo que boa parte dos católicos está virando neopentecostal. Nas duas últimas décadas, à queda acentuada de católicos correspondeu uma alta igualmente acentuada de evangélicos – em especial da Igreja Universal do Reino de Deus, que, sendo uma voraz sugadora de fiéis e dízimos, se transformou em potência divina e comercial.
A raiz do fenômeno que irriga o crescimento de evangélicos e de sem-religião faz parte da mesma genealogia: os laços étnicos e culturais de boa parte dos brasileiros estão se desfazendo como resultado da modernidade – do que a modernidade traz de positivo, como o aumento da escolarização e a crescente profissionalização de certas camadas sociais, e do que traz de negativo, como a desestruturação das famílias e a favelização das metrópoles. "É a religião atuando como solvente", diz o professor Flávio Pierucci, da USP. Seus números apóiam sua percepção. Um laço étnico que se desfaz: entre os adeptos do candomblé, credo de origem africana, 40% são brancos. Outro: nos cultos afro-brasileiros há cerca de 100.000 negros, e nos cultos evangélicos os negros já são 1,7 milhão. Mais um: os brasileiros que trocam o catolicismo pelo neopentecostalismo estão dissolvendo um laço cultural e histórico, substituindo a religião fundadora do Brasil, herança que vem do fundo do passado colonial, por uma novidade na cena religiosa do país. É aí, nesse processo de dissolução, que crescem os ateus e os sem-religião. (...)
Fonte http://povodebaha.blogspot.com/

Feliz 2008

Desejo a todos os visitantes e colaboradores deste blog um 2008 cheio de realizações positivas e saúde abundante.
Aproveito para agradecer a todos que me telefonaram e enviaram mensagens alusivas ao Natal e desejando Feliz Ano-novo.
Waldyr Silva

terça-feira, 1 de janeiro de 2008